NovAmosanta defende a criação do Parque Serra da Estrela (da Tribuna)

Por: Aline Rickly (Tribuna de Petrópolis)
29/05/2016

A transformação da atual pista de subida da serra em uma estrada parque ganhou um novo grupo de discussão. A partir do próximo mês o assunto será pauta das reuniões do Grupo Paritário de Trabalho da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que discute também a construção da nova pista de subida da serra e as consequências que ela vai gerar para a cidade. Para a NovAmosanta, uma das entidades que participa das reuniões, a ideia é que o espaço seja transformado no parque da Serra da Estrela, ajudando a compor um corredor ecológico, que vai preservar a estrada, impedindo inclusive a ocupação desordenada. Segundo a Concer, ainda não foi definido o destino da pista. A assessoria de imprensa da empresa informou que a decisão depende da ANTT.

O assunto vem sendo discutido há, pelo menos, três anos. A preocupação das entidades petropolitanas é que, com a inauguração da nova pista de subida, prevista para o segundo semestre de 2017, a atual estrada fique abandonada. Para Fernando Varella, vice-presidente da Novamosanta, a atual pista de subida é mais um atrativo turístico da cidade, tendo em vista, principalmente, a exuberância da Mata Atlântica no trecho.

O presidente da entidade Jorge de Botton concorda com ele. Ele sugere ainda que a estrada parque integre as reservas biológicas do Tinguá e do Parque Nacional Serra dos Órgãos (Parnaso). Para Jorge, não há possibilidade de deixar aquela pista abandonada ou mesmo trafegando em mão dupla como já foi especulado. “É uma questão de segurança, porque a pista é estreita”, disse.

No ano passado, o assunto chegou a ser debatido em reuniões da Frente Pró-Petrópolis, que também defende a criação da Estrada Parque. Além disso, uma empresa petropolitana chamada Manoa Planejamento Ambiental chegou a enviar para o Conselho Municipal de Turismo (Comtur) um projeto que considerava a criação de acostamentos, áreas de fuga, instalação de sanitários, restaurantes, cafés, feiras de artesanato, parques, mirantes. Sugeriu ainda, a criação de 26 paradas em pontos já estabelecidos, como nas bicas de água, existentes ao longo da pista e no Mirante do Cristo.

O projeto previa ainda a instalação de atividades ligadas ao Turismo de Aventura, Ecoturismo e Turismo Histórico-Cultural a fim de beneficiar a região. Com isso, acreditam que haverá o aumento da atividade econômica e da arrecadação tributária com a aquisição de equipamentos, materiais e insumos para as obras. O documento lembra ainda que a BR-040 é uma rodovia federal, com 1.200 Km, que foi efetivada pelo Plano Nacional de Viação, em 1973. Ele destaca também que, com o aumento do tráfego pesado, as rampas e as curvas da antiga Rio–Petrópolis ficaram obsoletas.

http://e-tribuna.com.br/ler/novamosanta-defende-a-criacao-do-parque-serra-da-estrela/2669

NovAmosanta defende no GPT ANTT/Concer a Preservação da Mata Atlântica através da transformação da atual subida em Estrada-Parque

Os  diretores Jorge de Botton e Fernando Varella da NovAmosanta, representantes dessa ONG no GPT – Grupo Paritário de Trabalho – ANTT/Concer,  vinham insistindo na realização de uma reunião especial para discutir as questões ambientais que envolvem a construção da nova subida da serra, e, especialmente, a questão da transformação da  subida atual numa estrada-parque tão logo a nova subida seja concluída.

BR040 - Subida da Serra Atual

Essa reunião especial (16.a Reunião do GPT) ocorreu em 19 de maio passado, presentes os representantes da Firjan Petrópolis, Firjan Três Rios, NovAmosanta, Inea, Concer e ANTT.

No início a Concer fez uma apresentação dos programas ambientais desenvolvidos pela empresa. Em seguida, foi abordada a questão da criação de uma estrada-parque na atual subida da serra.

Os referidos diretores, há algum tempo, questionam fortemente a decisão preliminar da Concer de implantar mão dupla de trânsito na atual subida da serra, a qual teria como consequência, certamente, a criação de linhas de ônibus subindo e descendo a estrada, e a consequente ocupação irregular de trechos preservados da Mata Atlântica cortados pela estrada, coisa que já ocorre no segmento inicial da subida.

Não é por outra razão que Jorge de Botton e Fernando Varella vinham se posicionando contra a referida decisão preliminar, de modo não somente a se preservar um importante trecho da Mata Atlântica, o qual abriga riquíssimas flora e fauna, mas também, porque a referida mata é um patrimônio nacional e de Petrópolis e certamente, uma atração permanente para nossos visitantes e turistas.

Após muitas intervenções por parte dos representantes das entidades presentes, ao final da reunião, foi aprovada a convocação de um grupo de trabalho especial, com a missão específica de discutir os detalhes da proposta de transformação da atual subida da serra numa estrada-parque.

Deverão participar, do referido grupo de trabalho, representantes da sociedade e de entidades empresariais de Petrópolis, e das instituições federais, estaduais e municipais que cuidam do meio ambiente.

A NovAmosanta participará ativamente.

[ver também o projeto Estrada-Parque – Yara Valverde & Orlando Graef (clicar)precisa ler PDF]

NovAmosanta realiza assembleia e elege nova diretoria

Mesa da Assembléia. Da direita para a esquerda: Penna Chaves presidente biênio 2014-2015, De Botton, presidente eleito, R. Conte diretor, secretariando.

No último sábado, 14 de maio, foi realizada a assembleia da NovAmosanta no Itaipava Country Club. Além da aprovação de contas e debates sobre realizações, foram realizadas eleições para o biênio 2016/2017.

A NovAmosanta conta agora com uma diretoria maior, de 12 diretores, 5 a mais em relação à do biênio anterior, num novo modelo de gestão de diretoria colegiada.

Os novos diretores eleitos foram os associados Camila Thees, Fernando Varella Guedes, Jorge La Saigne de Botton, Marcio A. Cardoso, Marcelo Botelho, Marcelo Florêncio, Paula Pareto, Roberto Leocádio Penna Chaves, Ricardo Cypriano Conte, Telmo Travasso de Azambuja, Tobias Marcon e Yara Valverde.

Assembleia em 14 de maio

Foi apresentado o plano de ação para o próximo biênio, tendo sido bastante discutido entre os presentes.

Tambem nessa assembleia foi aprovada a criação de um conselho consultivo visando adicionar pessoas que com experiencia e contatos possam apoiar e alavancar as ações da Novamosanta. Foram eleitos para o conselho  Carlos Erane Aguiar, Carlos Eduardo Pereira da Cunha, Jacques La Saigne de Botton e José Luiz Alqueres.

Paulo Igor cobra que prefeitura encaminhe Plano de Mobilidade Urbana à Câmara

[Diário de Petrópolis]

Petrópolis já perdeu R$ 50 milhões do PAC da Mobilidade

Para garantir que o município volte a receber recursos federais para investimentos em planejamento e melhorias no sistema viário, o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB) está cobrando ao prefeito Rubens Bomtempo que encaminhe à Câmara o Plano de Mobilidade Urbana. O documento é um instrumento fundamental para planejar e ordenar o trânsito na cidade, o que permitirá que a população tenha um deslocamento mais rápido no dia a dia. Há um ano, Petrópolis está impedida de receber recursos federais destinados à mobilidade urbana porque não elaborou o projeto dentro do prazo estabelecido pela Lei Federal 12.587/12. Neste período, a cidade perdeu pelo menos R$ 50 milhões, referentes ao PAC da Mobilidade.

Paulo Igor (foto petropolisnews.com.br)

“Petrópolis precisa de mais mobilidade e não pode continuar impedida de receber recursos que ajudem a melhorar as condições da cidade. O desenvolvimento do município passa pela mobilidade. A falta de organização no trânsito interfere no dia a dia das pessoas. Hoje, uma das maiores reclamações que recebemos é a questão do transporte público, dos atrasos nos horários de ônibus. Isso irá melhorar se tivermos melhores condições de tráfego. No ano passado já havíamos manifestado preocupação com a perda do prazo para entrega do plano. Hoje reiteramos isso. Estamos cobrando que o Executivo encaminhe com urgência este projeto para que seja discutido e votado na Câmara”, diz Paulo Igor.

A Lei Federal 12.587 de Mobilidade Urbana, que estabelece diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, foi publicada em janeiro de 2012 – com prazo de 90 para entrar em vigor. O texto da norma estabelece que em três anos todos os municípios do país devem elaborar Planos de Mobilidade Urbana municipais. Passado este prazo, os municípios ficam impedidos de receber recursos federais destinado à mobilidade.

“São recursos que podem otimizar o sistema viário permitindo melhorar acessos, duplicar vias, construir pontes, enfim, uma série de intervenções para dar fluidez ao trânsito e melhorar as condições de mobilidade para todos”, pontua Paulo Igor.

No dia 14 do mês passado, o Ministério Público Estadual estabeleceu, através de uma recomendação, que o Executivo tem prazo de 30 dias para encaminhar o plano à Câmara.

“Esperamos que o projeto chegue à Casa dentro do prazo estabelecido pelo MP, pois a falta de infraestrutura para mobilidade compromete também a economia da cidade. Visitantes que enfrentam problemas para chegar a Rua Teresa e fazer compras, assim como muitos turistas não voltam e a cidade perde com isso”, avalia.

A recomendação é assinada pela titular da 1ª promotoria de Tutela Coletiva de Petrópolis, promotora Zilda Januzzi Veloso Beck, que em 2013 instaurou um inquérito civil para acompanhar a elaboração do Plano de Mobilidade Urbana do município.

http://diariodepetropolis.com.br/integra/paulo-igor-cobra-que-prefeitura-encaminhe-plano-de-mobilidade-urbana-a-camara-89852