Obra de feirão em Itaipava continua embargada

[do Diário de Petrópolis – Sexta-feira, 26/04/2019]

Empreendimento que prevê instalação de 170 boxes  não tem licenças, de acordo com a Prefeitura

Philippe Fernandes

feiraoIta

A construção de uma estrutura modular para uma feira de modas nas proximidades do Hortomercado Municipal, em Itaipava, continua embargada pela Prefeitura. Ontem, o governo municipal confirmou que as intervenções foram iniciadas sem as devidas autorizações. Segundo a Prefeitura, a licença ambiental foi emitida pela Secretaria do Meio Ambiente, com a anuência da APA Petrópolis, mas condicionada à necessidade dos outros documentos junto à Secretaria de Obras.

Para o endereço apontado, a Secretaria de Fazenda apurou a emissão de um alvará como microempreendedor individual para o endereço, mas isso, de acordo com o governo, não dispensa a necessidade das licenças devidas por parte da Secretaria de Obras. O governo municipal informou, ainda, que, após o embargo, o responsável apresentou o projeto junto à Secretaria de Obras, e o empreendimento está em análise. A Prefeitura lembrou, ainda, que toda obra com caráter permanente precisa de licenciamento e, caso a instalação prossiga, o proprietário ficará sujeito a penalidades, como multa por descumprimento e até ser intimado a demolir a construção.

A instalação do empreendimento, que prevê a instalação de 170 boxes no centro do terceiro distrito, um local que já sofre com constantes engarrafamentos, é vista com muitas restrições por entidades da sociedade civil organizada como a NovAmosanta, que tem por objetivo defender os interesses da região de Itaipava. De acordo com o diretor da organização, Roberto Penna Chaves, a região pode “parar” caso o empreendimento vá em frente.

– Hoje em dia, para se aprovar um projeto, é preciso ver o impacto de vizinhança. Neste caso, não tenho dúvida de que o trânsito da região, que já é tumultuado, vai parar completamente. Este trecho, em frente ao Hortomercado, é um dos pontos onde há maior retenção. Além disso, a área não permite um estacionamento de grande porte. Eu considero impensável a aprovação de uma ideia dessa – destacou.

De acordo com Monica Souza, administradora do Shopping Vilarejo, esse tipo de comércio, que se percebe a priori, com foco no produto de preço baixo, acaba canibalizando a vizinhança e o mercado.

– A estrutura administrativa de um Shopping possui custos elevados, que, de forma geral, são completamente diferentes de um Feirão. Na opinião do Shopping Vilarejo, bem como do seu corpo de lojistas, esse tipo de empreendimento gera uma falsa impressão. A falsa impressão para o cliente, que acredita que vai encontrar produtos de alta qualidade e baixíssimo valor e a falsa impressão para o lojista, que acredita que em Itaipava vai conseguir volume de vendas suficiente para manter os custos – disse.

A obra pode gerar impacto não apenas na região, mas em todos os demais polos de moda da cidade. Na opinião do empresário Antonio José, do Aldeia Shopping, não é possível paralisar o investimento se toda a documentação estiver correta; no entanto, é preciso que o espaço disponha de infraestrutura adequada para não causar mais problemas na área.

– É claro que vai acontecer o impacto no comércio do Bingen, da Rua Teresa e de outras áreas, mas se o empreendedor tem as licenças, está em dia, é inevitável. Agora, é preciso analisar a infraestrutura. É fundamental ter um amplo estacionamento, com pelo menos uma vaga por loja. Se não tiver isso, pode criar um problema para a mobilidade urbana da região – disse, citando a Feirinha de Itaipava, que dispõe de uma grande área para os veículos pararem.

 

Revisão da Lupos já pode ser acompanhada pela internet

http://www.petropolis.rj.gov.br/pmp/index.php/imprensa/noticias/item/9519-revis%C3%A3o-da-lupos-j%C3%A1-pode-ser-acompanhada-pela-internet.html

Informações estão disponíveis no site e população pode enviar sugestões

Dados estão sendo coletados virtualmente e pesquisa de campo será realizada

luposRevisaoGeral2Legislação que estabelece os parâmetros para a organização da cidade, delimitando os tipos de atividades e padrão de construções em cada bairro dos cinco distritos de Petrópolis, a Lei de Uso Parcelamento e Ocupação de Solo (Lupos) está sendo revista pelo município – após 20 anos de sua criação – e pode ter todo processo de revisão acompanhado pela internet. O link para as  informações está disponível, na página principal da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br) e os dados serão atualizados de acordo com o andamento dos trabalhos.

A população também poderá participar do processo, respondendo a uma pesquisa sobre as características da região em que vive, acessando o link www.petropolis.rj.gov.br/petropolisparatodos/pesquisa, e ainda encaminhado sugestões sobre o que pode ser melhorado na infraestrutura da cidade para o seu dia a dia.

“O trabalho terá a participação de representantes de diferentes segmentos atuando nas Câmaras Técnicas que discutirão assuntos setoriais relacionados a ocupação do solo, como os tipos de comércio, serviços, indústrias, terrenos e edificações, meio ambiente, mobilidade, enfim, todas as questões relacionadas a estrutura da cidade. Todo este trabalho poderá ser acompanhado no site, mas é importante também que a população participe, respondendo à pesquisa e enviado sugestões”, destaca o coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica, Roberto Rizzo, lembrando que a intenção é traçar um diagnóstico sobre a realidade de cada localidade para que o planejamento seja executado de forma mais precisa.

Os interessados em participar das Câmaras Técnicas devem entrar em contato com a Coordenadoria de Planejamento pelo e-mail planjemamentourbano@petropolis.rj.gov.br,indicando em que áreas gostariam de contribuir. Pelo mesmo endereço eletrônico a população também pode encaminhar suas sugestões.

O levantamento de informações para elaboração do diagnóstico que irá nortear a atualização da Lupos prevê além da captação de informações pela internet, a apuração de dados em campos e ainda junto a alunos da rede pública. Elaborado pelo Departamento de Planejamento Urbano – DEPUR – da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica, o projeto ouvirá alunos do 9º ano do ensino fundamental em 26 escolas.

“O projeto Urbano na Escola será feito em escolas da rede municipal, com o apoio da Universidade Católica de Petrópolis, que por meio de um convênio com o município, disponibilizará 50 estudantes dos cursos de Arquitetura, Engenharia Civil, Administração e Economia, para acompanharem e auxiliarem os trabalhos com os alunos do município”, explica Rizzo.

As informações coletadas em campo e serão analisadas por um grupo de trabalho de coordenação do processo de revisão da Lupos e elaboração das Leis Complementares do Plano Diretor de Petrópolis

Definição de bairros e subcentros

As informações apuradas também ajudarão o município a definir subcentros e de bairros, o que é importante para orientar o planejamento de ações do município em relação a serviços públicos e traçar áreas para o desenvolvimento de atividades na cidade.

“A divisão do território em bairros – que será feita pela primeira vez – é importante para que o município entenda as características de cada bairro e desta forma possa planejar a utilização dos recursos públicos, como a instalação de escolas, unidades de saúde e equipamentos urbanos, por exemplo”, aponta o coordenador de planejamento.

“A intenção é pela primeira vez fazermos esta divisão administrativa de bairros, levando em conta como os moradores de cada local se identificam”, completa Rizzo.

Já a divisão em subcentros tem o objetivo de criar condições para melhorar a qualidade de vida das pessoas, evitando que a população precise se deslocar até o Centro para resolver questões do dia a dia. “A intenção é estimularmos o desenvolvimento de centros menores nos bairros e distritos, ampliando e melhorando a infraestrutura de serviços já existentes”, explica o coordenador.

Rizzo destaca que a meta, ao fim do levantamento, é a elaboração de um mapa apontando em que locais serão estabelecidas diretrizes para o desenvolvimento de comércio, serviços e instalação de empresas e assim melhorar não só a questão da mobilidade, mas também a geração de empregos.

Todo o processo de revisão contará com a participação das entidades de classe da sociedade, sociedade civil organizada, OAB e universidades.

Ver: http://web2.petropolis.rj.gov.br/sde/petropolisparatodos/

luposAuditorio2

Prefeitura apresenta projetos de revisão da LUPOS e reurbanização do entorno do Lago de Nogueira

Diário de Petrópolis

Propostas foram pautas da reunião ordinária do Conselho Revisor do Plano Diretor

A prefeitura apresentou, nesta quarta-feira (07), ao Conselho Revisor do Plano Diretor (CRPD), dois projetos: de Avaliação, Discussão e Revisão da Lei de Uso, Parcelamento e Ocupação do Solo (LUPOS) e de Reurbanização do Entorno do Lago de Nogueira. As propostas foram elaboradas pelo Departamento de Planejamento Urbano, da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica do município, e apresentadas aos conselheiros durante a reunião ordinária, que acontece mensalmente.

A proposta tem o objetivo de corrigir possíveis divergências entre o mapa digital de zoneamento da Lei de Uso Parcelamento e Ocupação de Solo e a legislação de 1998 – que estabelece suas normas. Foi criado um cronograma a partir da apresentação de um grupo de trabalho, que irá analisar os mapas que estão disponíveis para fins de consulta pública, emissão de certidão de uso e parâmetros e planejamento urbano do município. A LUPOS estabelece os parâmetros para uso do solo, definindo, entre outras coisas, as atividades permitidas em cada região da cidade. A criação do grupo é o primeiro passo para a futura revisão da LUPOS, que está prevista no Plano Diretor da cidade.

“Os técnicos farão um diagnóstico em relação à LUPOS, pensando na revisão dela, que é um dos principais instrumentos para o desenvolvimento e crescimento sustentável e ordenado da cidade”, explica o coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica, Roberto Rizzo.

O cronograma deverá ter duração de 9 meses, contados a partir da formação do Grupo de Trabalho (GT), prevista ainda para este mês. Durante os trabalhos, o grupo vai fazer a coleta de dados nos locais e por aplicativo, relatórios, regulamentação e o controle social, baseado nas informações coletadas.

“É a primeira vez, em 40 anos, que vejo um projeto tão importante para reavaliação de nosso território. Estamos em período preocupante por conta da chuva e acredito que se isso tivesse sido feito em gestões anteriores poderíamos ter evitado tragédias que aconteceram nos últimos anos em nossa cidade”, disse o arquiteto Paulo Lyrio, conselheiro representante da sociedade civil.

A previsão, é de que, após legitimado o Grupo de Trabalho, os trabalhos sejam iniciados com seminário no mês que vem.

Apresentação do Projeto de Reurbanização do Entorno do lago de Nogueira

O departamento de Planejamento Urbano, da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica,apresentou, na mesma reunião, o projeto de reurbanização do entorno do Lago de Nogueira. O projeto prevê a recuperação da calçada de caminhada no entorno do lago; construção de deck de caminhada no entorno do lago (trechos que não possuem calçadas);construção de decks para pescaria; e criação de um jardim botânico.

Neste jardim, estão previstos alamedas e canteiros para plantação de espécies da Mata Atlântica; estufa; recuperação e transferência na localização de umparquinho infantil; e um prédio para atendimento aos visitantes e ambiente de pesquisa.

“Isto representa a reativação de um espaço muito importante para o turismo na cidade. Temos a oportunidade de transformar um local esquecido pelas gestões anteriores e fazer dele um exemplo de sustentabilidade, atendendo aos anseios dos moradores da região”, disse o coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica, Roberto Rizzo.

O projeto já se encontra sob análise do Ministério do Turismo, através de proposta ao Programa de Infra-Estrutura Turística.

MINUTA LEI MUNICIPAL N° XXXX/2018: Institui o projeto “ADOTE UMA PRAÇA”

MINUTA LEI MUNICIPAL N° XXXX/2018

Institui o projeto “ADOTE UMA PRAÇA” de adoção de espaços
e bens públicos no âmbito do Município de Petrópolis;
revoga a Lei Municipal nº 7.561, de 10 de outubro de 2017; e, dá outras providências.

TÍTULO I
DA INSTITUIÇÃO E OBJETIVOS DO PROJETO

Art. 1º Fica instituído o Projeto “Adote uma Praça” no âmbito do Município de Petrópolis, que terá, entre outros, os seguintes objetivos:

I – promover, em conjunto com o Poder Público Municipal, a participação da sociedade, às suas expensas, em urbanização, construção, recuperação, preservação e/ou manutenção de espaços e bens públicos passíveis de adoção;
II – incentivar e viabilizar ações para a construção de novos espaços e aquisição de bens de uso público, bem como para a conservação, preservação, manutenção e/ou melhorias dos espaços e bens públicos já existentes;
III – incentivar a utilização de ações que atendam as melhores práticas de preservação ambiental.
IV – possibilitar o uso mais intensivo dos espaços públicos pela população;
V – levar a população vizinha e da área de abrangência às áreas e bens públicos a compartilhar com o Poder Público Municipal a responsabilidade por tais equipamentos.

Parágrafo único. Os órgãos e entidades da Administração Direta e Entes da Administração Indireta, inclusive Autarquias e Sociedades de Economia Mista, concessionárias, permissionárias e contratadas, observarão as normas dispostas nesta Lei e participarão do projeto no âmbito de suas competências, atribuições e vinculações.

Art. 2° Para efeitos desta lei são consideradas áreas, espaços e bens públicos passíveis de adoção:

I – parques naturais;
II – parquinhos infantis;
III – academias populares;
IV – rotatórias;

(a lei continua AQUI – Documento no Site – pdf –Tamanho: 204 KB – 7 páginas apenas)

Prefeitura recebe mais um projeto de PPP para mobilidade urbana em Itaipava

(do Diário de Petrópolis em 12/1/2018)

UrbanoItaipavaPPP

Ideia é criar um acesso próximo ao Horto ligando a União e Indústria à Rua Agante Moço, que seria duplicada e pavimentada, se tornando opção para os motoristas em direção ao distrito

A prefeitura conheceu nesta quinta-feira (11) mais um anteprojeto de Parceria Público Privada (PPP) para melhorias de uma via alternativa em Itaipava. A ideia é abrir um acesso próximo ao Hortomercado Municipal e o Corpo de Bombeiros para ligar a Estrada União e Indústria à Rua Agante Moço. O projeto prevê ainda a duplicação da via que fica atrás do Parque Municipal e a pavimentação do trecho – que hoje é de terra. É a segunda iniciativa para melhoria de mobilidade urbana em Itaipava que a prefeitura recebe para análise.

O trabalho foi apresentado ao prefeito Bernardo Rossi pelo arquiteto Guilherme Lima, da Engeprat. O trecho tem cerca de 4 km de extensão e vai até o Shopping Estação Itaipava.

“Nós temos visto que a iniciativa privada quer contribuir com o crescimento do município e a prefeitura quer ser parceira de quem tem este espírito. O projeto apresentado aqui traz uma excelente alternativa para o trânsito daquele local e agora o trabalho é para viabilizar o projeto”, explica o prefeito Bernardo Rossi.

“A ideia é de uma intervenção exatamente no trecho que tem maior retenção e isso acontece porque a pista dupla passa para uma só faixa. O projeto é para dividir o fluxo, com a Rua Agante Moço sendo duplicada até o shopping, em sentido ao centro de Itaipava”, explica Guilherme Lima.

A Rua Agante Moço atualmente não é pavimentada e é estreita. Ela ajuda a aliviar o trânsito da região, mas tem saída em Bonsucesso. Assim, o motorista que entra no tráfego intenso próximo ao Horto fica sem alternativa. A via recebe manutenção com auxílio de uma máquina que faz a raspagem da terra para eliminar os buracos.

Este foi o segundo projeto vindo da iniciativa privada em menos de um mês para melhorar o trânsito em Itaipava. Em dezembro, o arquiteto Aloizio Rodrigues (Zinho) também apresentou uma proposta bloquear um dos lados do trevo próximo ao terminal urbano e construir um acesso entre o supermercado Bramil e um estacionamento. Esse projeto tem o objetivo de reduzir o número de cruzamentos na região, o que pode aumentar a fluidez no trecho.

Tanto um quanto outro projeto vão caminhar agora pela prefeitura e ser analisados pelo corpo técnico de CPTrans, Secretaria de Obras, Secretaria de Meio Ambiente e Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica, que participaram da reunião com os titulares de cada área (Maurinho Branco, Ronaldo Medeiro, Fred Procópio e Roberto Rizzo). O vice-prefeito Baninho e o secretário da TurisPetro, Marcelo Valente, também estiveram na reunião.

 

NovAmosanta Propõe a Bernardo Rossi Conselho Consultivo de Alto Nível

Os presidentes da  NovAmosanta, da Firjan, da Celma e diversos empresários de Petrópolis propuseram ao prefeito Bernardo Rossi, na presença de seus secretários, a criação de um conselho voluntário de alto nivel, do qual participariam, para sugerir, apoiar e debater, com a prefeitura, idéias em benefício de Petrópolis.

Um das principais temas foi o desenvolvimento de um plano estratégico para Petrópolis, que permanecesse atravéz de futuros mandatos políticos na prefeitura.

Um planejamento necessariamente de longo prazo, mas com metas intermediárias de forma a permitir acompanhar sua execução.

——————————————

do Diário de Petrópolis:

Empresários e prefeitura fazem planejamento estratégico

http://diariodepetropolis.com.br/integra/empresarios-e-prefeitura-fazem-planejamento-estrategico-142232

(foto Diário de Petrópolis)
(foto Diário de Petrópolis)

Empresários e prefeitura vão traçar, juntos, um planejamento estratégico de longo prazo para o desenvolvimento econômico e sustentável de Petrópolis.  A meta é que o programa atravesse governos e coloque a cidade na rota de crescimento.  As diretrizes serão propostas por um conselho consultivo que vai identificar oportunidades e objetivos comuns assim como gargalos e entraves.  A primeira reunião, que marca o trabalho do grupo, foi realizada nesta quarta-feira (22.), na prefeitura. O prefeito Bernardo Rossi recepcionou o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira e empresários da cidade

“Desde a elaboração do plano de governo previmos esse conselho e essa ação. Esse planejamento, se tivesse sido feito há 30 anos, Petrópolis teria hoje resultados eficientes. Então, o que faremos agora é planejar a longo prazo”, afirma o prefeito Bernardo Rossi apontando ainda que soluções pontuais podem ser tiradas deste trabalho, que será permanente.

Para o presidente da Firjan acessos à cidade são um dos entraves ao desenvolvimento, como a situação atual da BR-040. “As demais vocações da cidade que têm sinergia e harmonia com a indústria instalada. Além de manter precisamos ampliar o parque industrial de Petrópolis”, aponta Eduardo Eugênio.

O primeiro encontro teve a presença de nomes como Julio Taloun, presidente da GE-Celma, e a presidente da Representação Regional Serrana da Firjan, Waltraud Pereira.  “Qual é a indústria do futuro que Petrópolis quer e como podemos atuar sugerindo o que pode ser feito em logística e mobilidade, é o que pretendemos”, destaca Taloun. Para Waltraud, o momento, de crise no país, vai ser vencido. “É preciso união de esforços”.

O formato do conselho, a periodicidade de encontros e o cruzamento de informações serão debatidos nos próximos dias.  “Temos aqui material humano precioso, pessoas como Eduardo Eugenio e o empresário Jorge de Botton, dispostos a ter uma cidade melhor para as próximas gerações. Vamos agregar ainda mais valores e trabalhar juntos”, conclama o prefeito Bernardo Rossi.

Ensino continuado e a formação de mão de obra também foram assuntos em destaque na reunião assim como o índice de avaliação fiscal feito pela Firjan (IGF) que mostra que Petrópolis em 2014, 2015 e 2016 teve o conceito “gestão fiscal difícil”. “A falta de metas planejadas faz com que sucessivos governos trabalhem apenas o emergencial. Queremos romper este hábito e fazer com que Petrópolis seja planejada”, aponta Bernardo Rossi.

A reunião teve a presença de empresários como Paulo Noel, do Sindmarcenaria, que representa a indústria de móveis da cidade e a gerente regional da Firjan em Petrópolis, Denise Bittencourt. O prefeito Bernardo Rossi esteve acompanhado do vice-prefeito, Baninho e dos secretários de Obras, Ronaldo Medeiros; Fazenda, Heitor Pereira; Meio Ambiente, Fred Procópio; e de Gabinete, Renan Campos. Também participam o presidente da CPTrans, Maurinho Branco e o coordenador de Gestão Estratégica, Roberto Rizzo.

BR- 040 na pauta da primeira reunião de empresas e prefeitura

As investigações técnicas sobre a cratera aberta na estrada no dia 7 deste mês e os prejuízos para moradores e usuários da BR-040 foi um dos assuntos em pauta na reunião com empresários. O presidente da Firjan citou estudos da Federação que projetam os prejuízos que Petrópolis e o estado terão com a atual concessão, inoperante em melhorias e em obras estruturais como a nova pista de subida da serra. “Vamos estar juntos cobrando uma estrada condizente com que o estado precisa em sua ligação com a região serrana, centro-sul e com Minas. É preciso ter uma estrada capaz de escoar pessoas e produção com segurança”, afirma.

O prefeito Bernardo Rossi mostrou aos empresários as ações ingressadas pela prefeitura em âmbito cível e a petição encaminhada à Polícia Federal para investigações no âmbito criminal do desastre.

 

7a. Conferência Municipal da Cidade de Petrópolis

7a. CconferenciaPetroponferência Municipal da Cidade de Petrópolis

24 de março das 18 às 21 horas
25 de março das 08:30 às 18:30 horas
Faculdade Arthur Sá Earp Neto
Av. Barão do Rio Branco, 1003 – Centro – Petrópolis – RJ

Realize seu credenciamento através do site: http://www.petropolis.rj.gov.br/e-gov/spe/conferencia_cidade_2017/

 

NovAmosanta pede reunião, realizada em 22 de fevereiro, para discutir a retomada das obras da União Indústria

Temos a satisfação de informar aos nossos associados e amigos que, por solicitação da NovAmosanta,  foi realizada uma reunião, entre a nova equipe da prefeitura e a nova diretoria do DNIT, para discutir a retomada  das negociações das obras da União Indústria, nos trechos Retiro – Pedro do Rio com o DNIT e Pedro do Rio – Posse, com o DER.

Houve receptividade do DNIT em aceitar incorporar as alterações propostas pela prefeitura, o que já era obrigação por decisão da justiça federal (ver anexo) e também em fazer uma conciliação para repassar os recursos para a prefeitura executar a obra.

A partir dessa reunião foram a agendadas as seguintes reuniões para continuação do tratamento do assunto:

  • Reunião dia 15/3/2017 na sede do DNIT no Rio de Janeiro, entre o Município, a NovAmosanta e o DNIT para discussão de eventuais adaptações ao projeto da Estrada Uniãoe Indústria.
  • Reunião dia 21/3/2017 na Procuradoria da República, com a presença do DNIT, Município de Petrópolis, para a qual será convidado ainda o DNER.

Com vontade política e ação da justiça temos um momento ímpar para avançar na melhoria da mobilidade nos distritos de Petrópolis, via União e Indústria.

Anexo: (documento nesse site)

 

Secretários do Governo Bernardo Rossi

Secretários Bernardo Rossi
Secretários Bernardo Rossi

 

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda

Marcelo Fiorini, 50 anos. Bacharel em Direito pela Universidade Católica de
Petrópolis (UCP) desde 1987. Empresário há 32 anos em Petrópolis, com
experiência em comércio também na capital. Presidente da Associação de Lojistas
da Rua Teresa (ARTE), por oito anos (2003 – 2010), atual presidente do Sindicato
do Comércio Varejista em Petrópolis (Sicomércio), cargo que assumiu em 2010.
Desde 2014, Marcelo Fiorini é também membro da diretoria da Federação do
Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomercio RJ). Fiorini é casado e tem
duas filhas.


Secretaria de Conservação e Segurança Pública

Djalma Januzzi, 41 anos, funcionário público desde 2007, quando ingressou na
área de Segurança Pública, como Guarda Civil Municipal. Atual subsecretário de
Estado para relações Institucionais na Secretaria de Estado de Habitação. Djalma
Januzzi é casado e tem duas filhas.


Secretaria de Assistência Social

Denise Maria Respeita Quintella Coelho, 53 anos. Psicóloga, formada pela
Universidade Católica de Petrópolis em 1985. Especialização na Fundação Getúlio
Vargas (FGV) em psicologia hospitalar, psicologia escolar e atendimento a
paciente com Síndrome de Down. Quatro anos de atuação na Escola La Fontaine
(1986-1990) – 1ª Escola a adotar o regime de inclusão de alunos especiais em
Petrópolis. Em 30 anos como psicóloga,  20 são dedicados ao atendimento popular
na clínica do Dr Fernando Coelho. Desde 1989, Denise Quintella soma a atuação
como psicóloga, trabalhos administrativos na Câmara de Vereadores, onde
ingressou como escriturária e ocupou cargos como chefe de processamento de
dados. Desde 2009, está no cargo de diretora administrativa. Denise Quintella é
casada, tem dois filhos e uma neta.


Secretaria de Obras e Habitação

Ronaldo Carlos de Medeiros Júnior, petropolitano, 50 anos. Empresário há 36 anos,
foi eleito vereador pela primeira vez aos 24 anos, em 1990, onde permaneceu até
o ano 2000, tendo ocupado o cargo de presidente da Câmara no biênio 1999/2000.Em
2004 foi eleito com mais de  seis mil votos, o que garantiu o título de vereador
mais votado da história de Petrópolis.No ano de 2006 foi eleito suplente de
deputado estadual com trinta mil votos, assumindo o mandato na Assembleia
Legislativa do Estado por dois anos.  Nos últimos seis anos voltou a se dedicar
exclusivamente a atividade empresarial em Petrópolis. Ronaldo Medeiros é casado,
tem dois filhos e será avô no início de 2017.


Secretaria de Administração e Recursos Humanos

Marcus Wilson Von Seehausen, empresário, formado em Direito pela UCP em 1986,
pós-graduado em Administração Financeira e em Direito Civil Processual. Ocupou
os cargos no executivo estadual como presidente do Ipem (Instituto de Pessoas e
Medidas), em  2015, e  na Secretaria de Envelhecimento Saudável e Qualidade de
Vida, em 2014. Neste mesmo órgão atuou, anteriormente, por dois anos, como
subsecretário. Petropolitano, foi chefe de gabinete parlamentar na Assembleia
Legislativa do Estado entre 2008 e 2012 e secretário de Administração municipal
de Petrópolis entre 2003 e 2004. Divorciado, tem três filhos.


Secretaria de Saúde

Silmar Fortes, 59 anos.  É enfermeiro sanitarista, atua na área de saúde há 35
anos. O trabalho na área de Saúde começou em agosto de 1981, como encarregado de
postos de Saúde – antes mesmo da conclusão do curso de enfermagem e obstetrícia
em 1982. Formou-se na Universidade Católica de Petrópolis, e é pós-graduado em
saúde pública, comunitária e de família. Foi diretor do Centro de Saúde Coletiva,
coordenador de Epidemiologia e apoiador institucional da Atenção Básica.

Em 2011 ingressou na Câmara de Vereadores, como suplente do então vereador
Bernardo Rossi. Em 2012 foi eleito vereador para o mandato 2013-2016, sendo
reeleito este ano. Em seis anos como vereador, o trabalho de Silmar Fortes se
destaca pelas ações de fiscalização em diversas áreas. Como presidente da
Comissão em Defesa da Saúde buscou a organização, estruturação e otimização do
atendimento. Fiscalizou as ações do Executivo Municipal em audiências públicas,
em especial nas reuniões que discutiram os números da Saúde nos encontros
quadrimestrais que avaliam a gestão da pasta.  Esteve engajado também na
promoção da saúde e dignidade dos idosos.


Secretaria de Educação

Anderson Juliano, 46 anos. Graduado em  Economia pela Universidade Católica de
Petrópolis em 2013. Atuou como bancário entre 1987-2015, sendo presidente do
Sindicato dos Bancários em Petrópolis de 2000 a 2002.

Ingressou na vida pública em 2008, quando assumiu a Secretária Municipal de Meio
Ambiente, cargo que voltou a ocupar entre 2010 e 2011. Entre os anos de 2009 e
2012, esteve à frente da Companhia Municipal de Desenvolvimento (Comdep). Em
2012 disputou sua primeira eleição para um cargo no legislativo e foi eleito
para o mandato 2013-2016. Na Câmara de Vereadores, Anderson preside a Comissão
de Educação , que instaurou CPI para investigar a aplicação de recursos da
pasta.  Anderson Juliano é casado e tem um filho.


Secretaria de Controle Interno

Fábio Alves Ferreira, advogado, 41 anos, Graduado em Direito pela Universidade
Católica de Petrópolis em 1999, pós- graduado em Direito na Universidade de
Coimbra (2000) e mestre em Direito pela Universidade de Coimbra em 2001.
Procurador adjunto do município em 2001 e 2002, membro do Conselho de Ética e
Disciplina da OAB-RJ, entre 2010 e 2015. O advogado é professor universitário e
autor de livros jurídicos. Com formação técnica em contabilidade no Colégio
Biblos, Fábio Alves, atuou por 10 anos no escritório de Contabilidade Andrade e
Silva.Fábio Alves Ferreira é casado e pai de três filhos.


Secretaria de Fazenda

Heitor Luiz Maciel Pereira, 63 anos. Graduado em administração pela Faculdade de
Ciências Políticas e Econômicas do Rio de Janeiro, em 1978,  e em Ciências
Contábeis no Centro Universitário de Barra Mansa em 2003. É pós -graduado em
engenharia Econômica e Financeira pela UFF em 2002. Possui especialização em
administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2007.Heitor é
funcionário de carreira das Indústrias Nucleares do Brasil, empresa que
administra o monopólio da energia nuclear da União, desde 1987. Contador,
administrador e pós graduado pela Latec/UFF em Engenharia Econômica e Financeira,
e pela FGV em administração pública. Atualmente está matriculado no curso de
Perícia judicial e Práticas atuariais. Foi contador da Prefeitura Municipal de
Duque de Caxias (2005-2006). No ano seguinte assumiu o cargo de subsecretário de
Receita do mesmo município (2007-2008). Foi assessor técnico do Secretário de
Estado de Planejamento e Gestão do Rio de Janeiro (2009-2010) e superintendente
de gestão Estratégica da Subsecretaria de Planejamento (2011-2012). Heitor Luiz
Maciel Pereira foi ainda Secretário Municipal de Fazenda do município de Duque
de Caxias entre janeiro de 2013 e fevereiro de 2015. Em março de 2015 foi
nomeado subsecretário de modernização da gestão da Secretaria de Estado de
Planejamento. Em novembro de 2015 foi nomeado Secretário Executivo da Secretaria
de Estado de Planejamento e gestão. Nasceu em Corumbá (MT), é casado e tem três
filhos.


Secretaria de Defesa Civil

Coronel BM Paulo Renato Vaz, 43 anos. Ex-diretor geral de Defesa Civil do estado
do Rio de Janeiro. Mestre em Defesa Civil pela Universidade Federal Fluminense e
especialista em prevenção de desastres. Autor do Mapa de Ameaças Múltiplas do
Estado do Rio de Janeiro. Atuou como secretário nos municípios de Nova Iguaçu e
Santa Maria Madalena.Cel. Paulo Renato já assumiu as secretarias de Defesa Civil
de dois municípios fluminenses, Nova Iguaçu e Santa Maria Madalena. O coronel
também é palestrante internacional sobre o tema Defesa Civil e autor de diversas
obras publicadas e premiadas no Brasil e no exterior sobre a área. É ainda
instrutor da Secretaria Nacional de Defesa Civil do Ministério da Integração
Nacional, da Secretaria de Estado de Defesa Civil do Rio de Janeiro e também de
instituições dos Estados Unidos e da Espanha.  Paulo Renato Vaz, é carioca,
nascido e criado no Méier, casado, e tem uma filha.


Estrutura vinculada ao Gabinete do Prefeito

Procuradoria Geral do Município

Sebastião Luiz Oliveira Médici, 43 anos. Graduado em  Direito pela UCP em 1997,
foi diretor jurídico da Casa da Criança Antônio de Pádua (1999/2001), criou e
coordenou o Procon-Petrópolis, foi procurador Geral do Município de Petrópolis
(2002-2008) e de Três Rios (2009-2016). Atualmente é procurador municipal de
Três Rios, mediante concurso público.

Médici é membro da Academia Petropolitana  de letras Jurídicas, foi professor de
Direito público da UCP (2005 -2008) e de Direito administrativo de Universidade
Estácio de Sá (2005-2012) e tem dois livros publicados sobre direito Público.
Sebastião Médici é casado e tem uma filha..


Secretário Chefe de gabinete

Renan Sousa Campos, petropolitano, 27 anos, solteiro, é professor e advogado.
Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Petrópolis (2012),
pós-graduado em Direito Processual Canônico (2016) e mestre em Direito pela
mesma Universidade (2016). Pós-graduando em Direito Processual Civil, em Direito
Imobiliário e em Direito Tributário pela Universidade Cândido Mendes. Foi
professor da Fundação Educandário Princesa Isabel da Vara da Infância e
Juventude da Comarca de Petrópolis-RJ de 2009 a 2012. Eleito em 2011
Personalidade Petropolitana na categoria Revelação em Trabalhos Sociais. Recebeu
em 2015 homenagem especial da Academia Petropolitana de Letras por relevantes
serviços prestados às obras sociais. Relações Institucionais da Secretaria de
Estado de Habitação do Rio de Janeiro (2015) e Coordenador de Operações
Imobiliárias e Financeiras da Companhia Estadual de Habitação do Rio de Janeiro
(CEHAB – 2016). Associado à ANDHEP, Associação Nacional de Direitos Humanos –
Pesquisa e Pós-Graduação. Sócio honorário da Academia Brasileira de Direito
Processual Civil. Membro do Instituto Brasiliense de Direito Aplicado.


Coordenador de Gestão Estratégica

Roberto Rizzo Branco, 43 anos, empresário. Graduado em Ciências Contábeis pela
Universidade Católica de Petrópolis em 1998, ingressou no serviço público em
1997, atuando na área de Controle Interno do Município entre 1997 e 2002 – neste
período foi o responsável pela primeira publicação de demonstrativos da Lei de
Responsabilidade fiscal (2001). Foi consultor de Controle Interno na Câmara de
Vereadores de 2005 a 2007. Na prefeitura atuou no departamento de programação e
orçamento (2009), e como coordenador de Planejamento e Orçamento (2010). Em
julho de 2012 assumiu a Secretaria de Planejamento e Urbanismo onde foi
coordenador dos trabalhos que garantiram R$ 124 milhões no PAC da Mobilidade
Urbana. Atualmente atua como assessor financeiro na Câmara de Vereadores – cargo
que assumiu em 2013.

Empresário do ramo do comércio, Roberto Rizzo foi vice -presidente da Associação
de Lojistas da rua Teresa (2005 a 2009). Desde 2013 atua também como consultor
em planejamento, gestão e finanças, tendo prestado serviços para municípios como
Angra dos Reis, Natividade e Areal. Em 2016 foi também coordenador do Fórum de
políticas públicas de Petrópolis. Roberto Rizzo é casado e tem dois filhos.


Coordenadora de Comunicação Social

Estela Siqueira é formada em Comunicação Social pela Faculdade da Cidade (1990)
e pós-graduada em Comunicação Empresarial pela Estácio de Sá (2002). Iniciou
como repórter, aos 16 anos, na Tribuna de Petrópolis. Em Petrópolis, trabalhou
nos jornais Diário de Petrópolis, Jornal de Petrópolis e ainda na Rádio Musical.
Foi colunista no jornal O Dia e repórter especial de Negócios do jornal Gazeta
Mercantil. Em assessoria de comunicação atuou na Firjan, Petrotur, Fundação de
Cultura e Turismo e CPTrans. Desde 2008 trabalha como assessora de comunicação
de Bernardo Rossi  em seus mandatos como vereador e deputado estadual. Solteira,
46 anos, sua função mais recente foi de Coordenadora de Comunicação da
Secretaria de Estado de Habitação.


ADMINISTRAÇÃO VINCULADA


CPTrans

Mauro Henrique Ribeiro de Oliveira (Maurinho Branco), 47 anos, casado. Servidor
do estado por 10 anos. Atuou como coordenador geral no escritório da Secretaria
de Trabalho e Renda do Estado do Rio de Janeiro (Sine/Petrópolis) entre 2002 e
2006. De 2006 a 2012 atuou como assessor na Secretaria de Estado de Transportes
do Rio de Janeiro.Em 2012 assumiu o mandato de vereador. Já no primeiro mandato
foi eleito membro da mesa diretora. Foi 2º vice-presidente da Câmara Municipal
no biênio 2012-2014, período em que presidiu a Comissão Permanente de Transporte
Público e Mobilidade Urbana da Casa, onde defendeu melhorias no sistema de
transporte coletivo da cidade.


Comdep

Wagner Luiz Ferreira da Silva, 65 anos, é formado em administração de empresas,
despachante público Estadual, tem curso de gestão de pessoas e Segurança do
trabalho.  Como gestor público foi presidente da Companhia de Desenvolvimento de
Petrópolis (Comdep) entre 1997 e 2000. Como presidente da Comdep, recebeu o
diploma Ambiental de Limpeza Pública. Outro destaque na gestão da Comdep foi o
cumprimento de um acordo com o Ministério Público do Trabalho para a contratação
de concursados. Em 2008 foi eleito vereador para o mandato entre os anos de 2009
e 2012. Membro da mesa diretora da Câmara, onde ocupou o cargo de 1º secretário,
no biênio 2009/2010, Wagner Silva ajudou a elaborar o último concurso público da
Câmara de Vereadores. Wagner Silva é casado e atua ainda na administração da
igreja Metodista Wesleyana Central de Petrópolis.


Empresa de Turismo

Marcelo de Freitas Melro Valente, 34 anos, é formado em administração de
empresas pelo IBMEC-RJ (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais).
Petropolitano, Marcelo é empresário do ramo hoteleiro e gastronômico da cidade
há mais de 10 anos. Marcelo é casado e tem dois filhos.


Fundação de Cultura e Esportes

Leonardo Randolfo, 28 anos. Maestro fundador do Coral Dó Ré Mi em 2002.
Ingressou na música em 1995 como integrante do Coral Canarinhos de Petrópolis,
onde permaneceu até o ano de 2010. Em 2007 ingressou na escola de Música da
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Buscando melhor especialização
passou por cursos de canto e regência com alguns dos maiores profissionais, no
Brasil e na Europa. Graduado  em Gestão de Marketing em 2011, Randolfo assumiu
no mesmo ano a coordenação do programa Canta Petrópolis. Desde 2012  Leonardo
Randolfo é membro do Conselho Municipal de Cultura, onde ocupou a presidência
nos anos de 2012 e 2013, foi vice presidente no biênio 2014/2015 e retornou a
presidência no início deste ano.

**Esportes será uma coordenadoria na estrutura da Fundação de Cultura comandada
por Hingo Hammes, 38 anos, graduado em Educação Física pela Universidade Gama
Filho, no ano 2000. Pós graduado em Educação Física e com MBA em Gestão
Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Há 16 anos atua como empresário da
área de educação física. Em 2011 assumiu a vice-presidência do Conselho
municipal de Esporte e Lazer e desde 2014 é presidente da Liga Petropolitana de
desportos (2014-2016).


INPAS

Subsecretário de Estado de Habitação do Rio de Janeiro nos anos de 2015 e 2016,
Fernando Leite Fortes, 65 anos, foi consultor e chefe de Gabinete Parlamentar,
na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro entre 2011 e 2014. Em 2006
foi subsecretário de Estado de Governo do Rio de Janeiro. Na Câmara de
Vereadores Fernando Fortes atuou como assessor especial da presidência (2009 a
2011), fruto da experiência como diretor Administrativo da Câmara Municipal de
Petrópolis (1993/1996) e vereador entre 1989/1993.Entre 2003 e 2006 Fortes foi
coordenador da Secretaria de Estado de Governo do Rio de Janeiro. Em 1987 atuou
como assessor Especial da Secretaria de Estado de Governo Rio de Janeiro. Entre
1997 e 1999 foi chefe de Gabinete Parlamentar na Alerj. Fernando Fortes foi
ainda diretor da 5ª Ciretran entre os anos de 1987 e 1988, Diretor Consultor da
empresa Ely &Azevedo Consultores Associados entre 1999 e 2002,  e Diretor
Administrativo da Clínica São Pedro por 12 anos (1978-1990).Na área de
comunicação, Fernando Fortes atuou como diretor comercial no jornal Diário de
Petrópolis entre os anos de 2008 e 2012 e como diretor do Jornal de Petrópolis
entre 1981 e 1983.

Fonte: e-tribuna