Licitação para revitalização da União e Indústria será aberta no dia 30 de abril

[do Diário de Petrópolis de 13 de abril de 2019]

DNIT licita obra de R$ 40 milhões

O edital para recuperação dos 25 quilômetros da Estrada União e Indústria no trecho entre o Retiro e Pedro do Rio será lançado no dia 30 de abril. A informação confirmada ao prefeito Bernardo Rossi e ao deputado federal Vinícius Farah, quinta-feira (11.04) em reunião com a direção geral do DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes, em Brasília. A expectativa é de que a obra – orçada em aproximadamente R$ 40 milhões – comece ainda no primeiro semestre.

uniaoIndustriaRevitalizar“São mais de 10 anos em que o início da obra se arrastava por muitos entraves no governo federal. Nossa gestão se empenhou percorrendo repartições e gabinetes em Brasília até que este pleito fosse atendido. Estamos acompanhando de perto todo o processo junto ao DNIT para garantir o andamento da obra e agora temos uma data confirmada para lançamento do edital. A prefeitura vem realizando obras emergenciais no trecho, mas existe a necessidade de total recuperação da estrada para garantir a segurança e conforto dos petropolitanos”, aponta o prefeito Bernardo Rossi.

O projeto de reforma prevê a pavimentação, sinalização e melhorias na drenagem de todo o trecho entre o Retiro e Pedro do Rio – que é de responsabilidade do DNIT. A prefeitura vai realizar, no decorrer da obra, pequenas intervenções como a construção de baias de ônibus e pequenos alargamentos na pista. O trecho entre Pedro do Rio e Posse, de responsabilidade do DER-RJ também está sendo cobrado pelo prefeito para ser revitalizado.

“Como representante da região estamos empenhados que esta obra saia do papel pela importância da estrada para o dia a dia de Petrópolis e para a economia da região porque a União Indústria influencia diretamente os municípios vizinhos”, completa Vinicius Farah.

“São quase 90 mil pessoas residentes no trecho, fora os que transitam diariamente pela estrada. A obra garantirá segurança para os petropolitanos. Agradeço ao empenho do deputado Vinicius Farah que vem acompanhando todo o processo e solicitando melhorias para a nossa cidade junto ao governo federal”, acrescentou Bernardo Rossi.

Prefeitura solicitou acesso ao projeto executivo da obra

Na ocasião, a prefeitura também solicitou, oficialmente, que a Superintendência Regional do DNIT no Estado disponibilize para o município o projeto executivo da obra de recuperação do trecho da União e Indústria.

“O objetivo é garantir que sejam permitidas as adequações necessárias, apontadas pelo município, durante a execução da obra acordadas entre o município e a empresa vencedora do certame com anuência da Superintendência Regional do DNIT”, ressalta o secretário de Obras, Ronaldo Medeiros.

A publicação do edital para contratação da empresa será feita pela Superintendência do DNIT no Rio de Janeiro. “ Um grupo de trabalho foi instituído para esse fim. Além de beneficiar os moradores, essa revitalização garante a segurança dos empresários e comerciantes que utilizam diariamente a via para escoamento da produção, ou seja, é um trecho extremamente importante para a cadeia econômica da cidade”, afirma Marcelo Fiorini, secretário de Desenvolvimento Econômico.

Entenda:

A reforma da União e Indústria se arrasta há quase 10 anos. Em 2009, a justiça determinou que o DNIT fizesse um projeto de recuperação da estrada, o que não ocorreu e rendeu uma multa de R$ 14 milhões ao órgão. Em 2011, o projeto até foi idealizado, mas não saiu do papel. Em 2016, uma licitação foi feita, mas a vencedora abriu mão do contrato e a segunda colocada não teve interesse na obra. Desde 2017 passado, a prefeitura cobra que o Dnit finalmente realize a reforma.

 

 

Projetos de mobilidade urbana prometem reduzir congestionamentos em Itaipava

Por: Janaina do Carmo | Domingo, 21 de Janeiro de 2018 | Tribuna de Petrópolis (restrito)

Foto Daniel Câmara
Foto Daniel Câmara

 

A Companhia Petropolitana de Trânsito (CPTrans) está analisando três projetos de mobilidade urbana para a região de Itaipava. O objetivo é reduzir os constantes congestionamentos em três pontos: no trevo de Bonsucesso, em frente ao Parque Municipal e próximo ao Terminal Rodoviário. A intenção é conseguir parcerias público privada (PPP) para a execução desses projetos.

“Estamos estudando alternativas para pontos complicados na região de Itaipava. São projetos básicos para locais onde as pistas afunilam e contam com muitas conversões a esquerda o que causa os congestionamentos. Buscar parcerias para a implantação desses projetos tem sido o nosso objetivo”, ressaltou o diretor técnico operacional da CPTrans, Luciano Moreira.

Um dos projetos prevê mudanças na rotatória do Trevo de Bonsucesso. A alternativa é a mais viável economicamente, pois dependeria apenas de pavimentação em dois pequenos pontos. De acordo com o projeto, os dois retornos (tanto de quem vem de Itaipava em direção a Bonsucesso quanto de quem vem para a rodovia BR-040 e pretende seguir para Itaipava) seriam recuados cerca de 20 metros.

Para o diretor técnico da CPTrans, esse recuo evitaria que os motoristas “criassem” uma terceira fila após o retorno de quem vem de Itaipava e segue para o Bonsucesso. “O objetivo é evitar o pare e siga no trânsito. A velocidade neste trecho precisa ser constante para que não haja tantas retenções. Fizemos diversas simulações neste ponto e percebemos que esta criação de uma terceira fila de carros é um complicador”, disse o técnico. Segundo a CPTrans, nas sextas-feiras passam pelo Trevo de Bonsucesso cerca de 2.600 mil carros em uma hora.

Outro ponto onde há constantes engarrafamentos é em frente ao Parque Municipal de Itaipava. De acordo com o projeto, apresentado na semana passada, a Rua Agante Moço (localizada atrás do parque) seria usada como rota alternativa para quem segue em direção ao distrito. A via usada seria uma rua ao lado do Hortomercado Municipal e o Corpo de Bombeiros ligando a Estrada União e Indústria à Agante Moço.

O projeto prevê ainda a duplicação e pavimentação da via que fica atrás do parque, a pavimentação do trecho, a criação de uma ponte e também a desapropriação de um trecho em um condomínio localizado na saída da Agente Moço, já na Estrada União e Indústria.

De acordo com o projeto, o motorista que segue em direção ao distrito deverá acessar, obrigatoriamente, a via alternativa da Rua Agante Moço saindo na União e Indústria em uma rua ao lado de um condomínio. Para quem segue em direção ao Centro não há alterações. Com a implantação da via alternativa, o trecho em frente ao Parque Municipal ficará em mão única.

O terceiro projeto que apresentado à CPTrans no fim do ano passado, prevê mudanças próximo ao Terminal Rodoviário de Itaipava em frente ao supermercado Bramil. A intenção é reduzir o número de cruzamentos e, assim, o trecho poderá ganhar mais fluidez. O projeto tem parceria público privada e conta com pavimentação e criação de uma ponte no acesso a BR-040.

Pelo documento, quem vem de Itaipava em direção à Posse não conseguirá, por exemplo, contornar a rotatória para chegar ao supermercado Bramil – será necessária ir até o novo acesso que será construído e fazer o retorno. Essa rotatória seria fechada e a viagem ficaria menos 400 metros maior. O trecho da União e Indústria entre a rotatória e o acesso ficaria em mão dupla. Assim, quem quiser fazer o retorno pode se manteria na faixa da esquerda e quem quiser seguir para os distritos, continuaria na faixa da direita, sem provocar retenções.

No caso de quem vem da Posse em direção a Itaipava vai ter que pegar este novo acesso para depois retornar à União e Indústria e seguir viagem. Se objetivo é chegar à Lajinha, por exemplo, é necessário pegar o novo acesso e fazer retorno à esquerda. No trecho a Prefeitura construiria pontos de ônibus e um ponte de taxi, além de solicitar autorização ao Dnit e a ANTT para construir o acesso para a saída da BR-040 direto para a União e Indústria.

Para o presidente da NovAmonsanta, Jorge de Botton, a Prefeitura precisa procurar parcerias para a implantação desses projetos. “A ideia em usar a rua atrás do Parque de Itaipava não é imediatista, mas é uma visão para o futuro. É uma alternativa que irá render frutos a médio e longo prazo. Primeiro é preciso visualizar as opções e a segunda etapa é buscar as parcerias para a viabilização do projeto”, ressaltou.

Jorge de Botton lembra ainda que pequenas mudanças que ajudariam na mobilidade urbana em Itaipava poderiam estar incluídas no projeto executivo de recuperação da Estrada União e Indústria que está sendo elaborado pelo Dnit. “O Dnit tem R$ 50 milhões para este projeto, a Prefeitura deveria se envolver na elaboração e apresentar as alternativas e ideias que ajudariam no trânsito da região. Participar seria uma solução viável sem que a Prefeitura empenhasse recursos”, concluiu o presidente da NovAmonsanta.  (grifo do blog)

mobilidade2018

TÓPICOS: PROJETOS | MOBILIDADE | PETROPOLIS | ITAIPAVA | TRANSITO  (originais do jornal)

Prefeitura recebe mais um projeto de PPP para mobilidade urbana em Itaipava

(do Diário de Petrópolis em 12/1/2018)

UrbanoItaipavaPPP

Ideia é criar um acesso próximo ao Horto ligando a União e Indústria à Rua Agante Moço, que seria duplicada e pavimentada, se tornando opção para os motoristas em direção ao distrito

A prefeitura conheceu nesta quinta-feira (11) mais um anteprojeto de Parceria Público Privada (PPP) para melhorias de uma via alternativa em Itaipava. A ideia é abrir um acesso próximo ao Hortomercado Municipal e o Corpo de Bombeiros para ligar a Estrada União e Indústria à Rua Agante Moço. O projeto prevê ainda a duplicação da via que fica atrás do Parque Municipal e a pavimentação do trecho – que hoje é de terra. É a segunda iniciativa para melhoria de mobilidade urbana em Itaipava que a prefeitura recebe para análise.

O trabalho foi apresentado ao prefeito Bernardo Rossi pelo arquiteto Guilherme Lima, da Engeprat. O trecho tem cerca de 4 km de extensão e vai até o Shopping Estação Itaipava.

“Nós temos visto que a iniciativa privada quer contribuir com o crescimento do município e a prefeitura quer ser parceira de quem tem este espírito. O projeto apresentado aqui traz uma excelente alternativa para o trânsito daquele local e agora o trabalho é para viabilizar o projeto”, explica o prefeito Bernardo Rossi.

“A ideia é de uma intervenção exatamente no trecho que tem maior retenção e isso acontece porque a pista dupla passa para uma só faixa. O projeto é para dividir o fluxo, com a Rua Agante Moço sendo duplicada até o shopping, em sentido ao centro de Itaipava”, explica Guilherme Lima.

A Rua Agante Moço atualmente não é pavimentada e é estreita. Ela ajuda a aliviar o trânsito da região, mas tem saída em Bonsucesso. Assim, o motorista que entra no tráfego intenso próximo ao Horto fica sem alternativa. A via recebe manutenção com auxílio de uma máquina que faz a raspagem da terra para eliminar os buracos.

Este foi o segundo projeto vindo da iniciativa privada em menos de um mês para melhorar o trânsito em Itaipava. Em dezembro, o arquiteto Aloizio Rodrigues (Zinho) também apresentou uma proposta bloquear um dos lados do trevo próximo ao terminal urbano e construir um acesso entre o supermercado Bramil e um estacionamento. Esse projeto tem o objetivo de reduzir o número de cruzamentos na região, o que pode aumentar a fluidez no trecho.

Tanto um quanto outro projeto vão caminhar agora pela prefeitura e ser analisados pelo corpo técnico de CPTrans, Secretaria de Obras, Secretaria de Meio Ambiente e Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica, que participaram da reunião com os titulares de cada área (Maurinho Branco, Ronaldo Medeiro, Fred Procópio e Roberto Rizzo). O vice-prefeito Baninho e o secretário da TurisPetro, Marcelo Valente, também estiveram na reunião.

 

300 Pessoas Participam de Abertura da 7ª Conferência da Cidade – NovAmosanta fala sobre Mobilidade

[do Diário de Petrópolis, 26/3/2017]

[foto Diário]
[foto Diário]
A abertura oficial da 7ª Conferência da Cidade contou com a presença de 300 pessoas e apresentou para os participantes a palestra ministrada pelos representantes da Fundação Getúlio Vargas (FGV), André Renovato e Marco Contardi, que abordou o conceito Smart City – Cidade Inteligente. O evento, realizado na noite de sexta-feira (24.03) no auditório da Faculdade de Arthur Sá Earp Neto (Fase), teve a presença do vice-prefeito Baninho, que representou o prefeito Bernardo Rossi e do presidente do Comcidade e secretário de Planejamento, Meio Ambiente e Desenvolvimento, Marcelo Fiorini.

“O prefeito Bernardo Rossi é um entusiasta das novidades e dos projetos que envolvam tecnologia, mobilidade e dos mecanismos de desenvolvimento que podem ser inseridos no município. Ele solicitou que ratificássemos a importância da Conferência da Cidade para Petrópolis e deseja que o resultado apresentado possa ser o melhor para o município”, disse Baninho.

O palestrante Luciano Moreira, diretor operacional da CPTrans, tecnólogo da Gestão da Produção Industrial, mestrando em Administração de Empresas pelo IBEMEC, abordou as questões como a melhora do fluxo do trânsito, aplicativos integrados a estrutura da cidade e novas opções de transporte dentro do tema Mobilidade Urbana, inserido no primeiro painel do dia. Humberto Medrado, mestre em administração de empresas e doutorando em administração, apresentou conceitos sobre as novas modalidades e geração de matrizes energéticas renováveis e sua aplicação dentro do município.

A questão que envolve a Rodovia BR-040 e a União e Indústria foi abordada pelo empresário e consultor Jorge de Botton, formado em Economia na PUC e MBA em Stanford University, que apresentou alguns projetos para possível solução de problemas em ambas as vias.  (Jorge de Botton é presidente da NovAmosanta – nota do blog)

A mediação da mesa foi conduzida por Flávia Bedelá – doutoranda em Business pela Rennes School of Business – França, Coordenadora Geral de MBA do Ibmec Business School e sócia da Valoro Corporate Advisory. Ela é membro do Conselho da Incubadora Inovadores.

O segundo painel – Tecnologia – teve Ricardo Yoghi como palestrante…   [continuar lendo, artigo na íntegra]

BR-040 – O Impasse – parte II

Fernando Varella
Economista e Vice-Presidente da NovAmosanta

Publicado na Tribuna de Petrópolis em 25/3/2017

Na primeira parte deste artigo (neste blog) comentamos a importância da BR-040, uma rodovia estratégica para o país, por ser um dos eixos de integração fundamentais para a Região Sudeste e, para Petrópolis, pelo seu impacto na vida econômica e social do nosso município. Em seguida, abordamos o fato de que as obras da nova subida da Serra terem ficado por último no cronograma de investimentos da Concer, e, apesar disso, tiveram seu ritmo, gradualmente, reduzido a partir de meados de 2015 e, paralisadas no início de 2016. E, por último, comentamos que o pior dos mundos para Petrópolis é a interrupção dessas obras, e, junto, o mal estado de conservação das duas pistas da Serra. Por causa disso, os moradores, frequentadores e visitantes de Petrópolis reclamam muito, em ter de pagar o segundo mais alto pedágio em rodovias federais de todo o país, sob concessão, e não poderem dispor de uma via de qualidade.

E essa injustiça é maior porque os moradores do município de Duque de Caxias não pagam pedágio pelo uso da rodovia, embora o trecho da Baixada seja o de maior densidade de tráfego. Caso os caxienses pagassem pedágio, mesmo em bases menores, a receita do pedágio da rodovia seria bem maior  e com isso a tarifa cobrada poderia ser bem menor.

Ainda falando de injustiças, destacamos que em função do custo das obras de mudança do novo local da praça de pedágio no km 102 da Baixada, a qual foi inaugurada em meados de 2016, obras não previstas no contrato de concessão da Concer, o valor do pedágio teve um forte aumento. A mudança do local da praça de pedágio só ocorreu em função do lobby dos políticos de Caxias, os quais estão sempre exercendo pressão para beneficiar a população do seu município. No caso, os beneficiários foram os moradores do Distrito de Xerém, único distrito daquele município que ainda pagava pedágio. Conclusão: para isentar os moradores de Duque de Caxias, são realizadas obras de mudança de local da praça de pedágio da rodovia, no km 102, autorizadas pela ANTT e realizada pela Concer, sendo o seu custo reembolsado via aumento do pedágio a ser pago pelos outros usuários, com Petrópolis à frente.

E as injustiças não param aí. Embora nenhum morador de Caxias pague pedágio pelo uso da rodovia, o município continua recebendo, normalmente, sua participação no Imposto sobre Serviços incidente sobre a receita da mesma tarifa, como os demais municípios do Estado do Rio e do Estado de Minas, cortados pela rodovia.

Vários problemas vêm contribuindo para se chegar ao grande imbroglio em que se encontra a manutenção da concessão em favor da Concer, a interrupção da construção da nova subida da serra e o mau estado de conservação das duas pistas de subida e descida. Várias instituições se envolveram na questão, como o TCU, o MPF, a CGU, a Comissão de Transportes da Câmara dos Deputados, além da ANTT e da Concer. O resultado disso é que é decorrido mais de um ano da paralisação das obras, sem previsão da continuidade. Questões como o 12º. Termo Aditivo ao contrato de concessão, celebrado em 30 de abril de 2014, entre a ANTT e a Concer, através do qual foram previstos aportes de recursos federais para a complementação da obra, a ausência de licitação das mesmas obras, e, a recente proibição da extensão do contrato de concessão por parte do TCU, criaram vários problemas legais adicionais para a solução do impasse atual.

Ver: BR-040 – O Impasse – parte I

7a. Conferência Municipal da Cidade de Petrópolis – Palestra da NovAmosanta

Temos a satisfação de informar aos nossos associados e aos cidadãos em geral que a NovAmosanta estará participando da 7a. Conferência Municipal da Cidade de Petrópolis, através de seu presidente, Jorge De Botton, com a palestra, no tema infraestrutura: “Rodovia BR 040 e União Indústria“.

Será oportunidade para discutirmos o presente e o futuro dessas duas importantíssimas vias de acesso e de tráfego no nosso município.

Adiante a programação:

PETRÓPOLIS CIDADE INTELIGENTE
7ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DA CIDADE DE PETRÓPOLIS

Local: FASE – Faculdade Arthur Sá Earp Neto
Barão do Rio Branco 1003 – Centro, Petrópolis – RJ – CEP: 25680-120

saearpMapa
Localização (clicar no mapa)

Programação

Dia: 24 de março de 2017 (sexta) – 18h às 21h

Credenciamento, boas vindas do Exmº Sr Prefeito, Aprovação do Regimento Interno,
Palestra sobre CIDADE INTELIGENTE, encerramento.

Dia: 25 de março de 2017 (sábado) – 8h30 às 18h30

  1. 08:30– Painel ,Talk Show e debates – “Infraestrutura” – Temas de debate:
    1. Mobilidade urbana
    2. Energia
    3. Rodovia BR 040 e União Indústria (NovAmosanta)
  2. 10:30h – Painel, Talk Show e debates – “Tecnologia”Temas de debate:
    1. Distrito Inovação
    2. Super computação
    3. Internet das Coisas – IOT

14:30 – 17:00 – Perfil Política de Desenvolvimento: Lei 6018 (incentivos fiscais), Perfil e Vocação Macroeconômica da Cidade
17:15 as 18:00 – Plenária para aprovação das propostas geradas pelos grupos de trabalho.
Encerramento

 

Folheto com mais detalhes sobre as apresentações de infra-estrutura:

palestrasDetalhe

(ver AQUI o site da conferência )

BR-040 – O Impasse – parte I

Fernando Varella
Economista e Vice-Presidente da NovAmosanta

Publicado na Tribuna de Petrópolis em 16/3/2017

A BR-040 é uma das rodovias mais importantes do país, ligando a antiga (Rio de Janeiro) à nova capital do Brasil (Brasília), atravessando importantes regiões e cidades como a Baixada Fluminense, Petrópolis, Juiz de Fora e a Zona da Mata mineira, Belo Horizonte, região de Tres Marias, Sudeste de Goiás e Distrito Federal. Ela é o principal corredor entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, e por isso mesmo, um dos eixos de integração mais importantes da região Sudeste do país.

Para Petrópolis, a BR-040 é estratégica, com forte impacto na vida econômica e social do município. A rodovia, para nós, tem múltiplas funções. Serve de via de abastecimento de matérias primas e escoamento da produção das indústrias locais, acesso mais importante para os frequentadores dos nossos polos de malhas e confecções e para os turistas que visitam a cidade e, ainda, para as pessoas que têm segunda residência em Petrópolis e em Itaipava. Do mesmo modo, a BR-040 é utilizada, diariamente, por milhares de petropolitanos que trabalham ou estudam no Rio e na sua região metropolitana.

A concessão da Concer – Cia. de Concessão Rodoviária Juiz de Fora-Rio, teve início em 1996. Os investimentos iniciais feitos na rodovia foram concentrados na Baixada Fluminense, com a ampliação das suas pistas incluindo a construção de dezenas de passarelas  e a melhoria de inúmeros acessos. Em seguida, ao invés do início da construção da nova subida da Serra, a opção foi pelo trecho mineiro que teve duplicada a ligação Matias Barbosa – Juiz de Fora, além de novos acessos a diversos municípios, a modernização de pontes e a implantação de câmeras de controle do tráfego.

A construção da nova subida da Serra de Petrópolis ficou por último, só tendo início em 2014, mas teve seu ritmo gradualmente reduzido a partir de meados de 2015 e finalmente, as obras paralisadas no início de 2016. Em função dessa situação, temos, atualmente, duas rodovias em uma, sendo o melhor trecho aquele que vai de Itaipava até Juiz de Fora. O trecho da Baixada Fluminense, com a extensão de 20km, tem problemas de segurança, mas é certamente uma estrada moderna, com bom piso e sinalização viária, bons acessos e até iluminação pública.

O pior trecho, o qual destoa completamente dos demais, é o da Serra de Petrópolis, com suas duas pistas em más condições de uso e as obras inacabadas na nova subida da Serra. Além dos antigos problemas relacionados à uma rodovia construída há 80 anos, com muitas curvas fechadas e falta de acostamentos, temos os recentes problemas da falta de manutenção, com inúmeros buracos, trincados e afundamentos. Do mesmo modo, em função da paralisação das obras  de construção da nova subida, o atual trecho de descida está se deteriorando rapidamente, já apresentando muitos dos problemas de manutenção que acontecem  na subida da Serra.

Para Petrópolis, o pior dos mundos é a paralisação das obras da nova subida da Serra e o mal estado de conservação das pistas de subida e descida. São muitas as reclamações dos frequentadores de Petrópolis, quanto ao estado das pistas da Serra, especialmente em função do alto valor do pedágio cobrado. Diversas entidades da sociedade civil, especialmente a NovAmosanta e a FIRJAN, tem reclamado seguidamente junto à Concer e à ANTT, da injustiça de os usuários petropolitanos da rodovia, os quais tem importante participação na receita do pedágio da rodovia, terem de pagar o segundo mais alto valor do pedágio do país, nas estradas sob concessão federal e não terem uma rodovia de boa qualidade nos trechos da Serra.

Continuação: BR-040 – O Impasse – parte II

Prefeitura diz que vai cobrar contrapartida em investimentos imobiliários

[do Diário de Petrópolis em 2/3/2017 – por Philippe Fernandes]

Após o Diário de Petrópolis ter noticiado que mais um empreendimento imobiliário pode ser construído na região de Itaipava, a Prefeitura anunciou que vai continuar estimulando essas construções, mas irá atuar com maior rigor na exigência de contrapartidas por parte dos investidores. Na sexta-feira (24), o Diário mostrou a preocupação dos moradores do terceiro distrito com a possibilidade de construção de um novo conjunto habitacional na Fazenda Bela Vista – localizada na Rua Agante Moço, que fica atrás do Parque Municipal Prefeito Paulo Rattes.

(foto Diário de Petrópolis)
(foto Diário de Petrópolis)

A Fazenda Bela Vista é uma das poucas áreas verdes ainda disponíveis em Itaipava, após a construção de diversos “espigões” que descaracterizaram o bairro nas últimas décadas. No caso da Fazenda Bela Vista, ainda há o agravante da falta de infraestrutura da Rua Agante Moço. A via, estreita, não tem largura suficiente para dois veículos trafegarem em sentidos opostos. Além disso, a rua não é asfaltada e parte dela está cedendo, nas proximidades do Condomínio Lagos de Itaipava.

De acordo com a Prefeitura, os empreendimentos construídos na região de Corrêas tiveram licenciamento aprovado sem a exigência de estudo de impacto de vizinhança e a melhoria de vias alternativas, para escoar o tráfego. Mesmo assim, no entanto, o município afirmou que está estudando formas de garantir contrapartidas das construtoras, compensando os efeitos das construções.

O processo de adensamento populacional sem a exigência de itens como estudo de impacto de trânsito, rede de água e esgoto, além de melhorias no arruamento das vias alternativas e iluminação pública nos últimos 30 anos, possibilitado pela construção de conjuntos habitacionais em diversas áreas da cidade, é apontado por urbanistas e entidades representativas da sociedade como um dos fatores determinantes para aumentar os congestionamentos no trânsito dos bairros, trazendo efeitos para a qualidade de vida da cidade.

Acredito que qualquer empreendimento (*) teria que ter contrapartida para o arruamento, e os grandes empreendimentos teriam que ter análise individual, para que a Prefeitura possa analisar caso a caso e buscar uma solução sobre o que pode ser feito em diversas áreas, como a distribuição de água, saneamento básico, acesso e demais melhorias. Desta forma, teríamos o crescimento, que é necessário, mas de forma sustentável. Isso beneficiaria inclusive os novos condomínios e seus moradores – afirmou, na sexta, o presidente da ONG NovAmosanta, Jorge de Botton. (grifo nosso)

—————————————————-

(*) Nota da NovAmosanta: A NovAmosanta há tempos vem propondo, para debate, uma lei de impacto sobre a vizinhança para grandes empreendimentos (vide em documentos, nesse blog), sejam de qualquer natureza, tais como comerciais, industriais ou residenciais. Impactos ambientais, na mobilidade e no saneamento precisam ser analizados pela prefeitura, apenas para grandes empreendimentos, visando permitir o crescimento sustentável da região. A NovAmosanta propõe, ainda, que o CRPD (Conselho Revisor do Plano Diretor) desenvolva um plano de crescimento urbano da região para que a prefeitura possa melhor direcionar o crescimento do município.

Itaipava. Entre o Parque Municipal e a Fazenda Bela Vista está a Estrada da Mineira, possivelmente de nome "Agante Moço" no trecho. Google Maps em 3/2/2017.
Itaipava. Entre o Parque Municipal e a Fazenda Bela Vista está a Estrada da Mineira, possivelmente de nome “Agante Moço” no trecho. Google Maps em 3/2/2017. (mapa acrescentado pelo blog)

 

 

NovAmosanta pede reunião, realizada em 22 de fevereiro, para discutir a retomada das obras da União Indústria

Temos a satisfação de informar aos nossos associados e amigos que, por solicitação da NovAmosanta,  foi realizada uma reunião, entre a nova equipe da prefeitura e a nova diretoria do DNIT, para discutir a retomada  das negociações das obras da União Indústria, nos trechos Retiro – Pedro do Rio com o DNIT e Pedro do Rio – Posse, com o DER.

Houve receptividade do DNIT em aceitar incorporar as alterações propostas pela prefeitura, o que já era obrigação por decisão da justiça federal (ver anexo) e também em fazer uma conciliação para repassar os recursos para a prefeitura executar a obra.

A partir dessa reunião foram a agendadas as seguintes reuniões para continuação do tratamento do assunto:

  • Reunião dia 15/3/2017 na sede do DNIT no Rio de Janeiro, entre o Município, a NovAmosanta e o DNIT para discussão de eventuais adaptações ao projeto da Estrada Uniãoe Indústria.
  • Reunião dia 21/3/2017 na Procuradoria da República, com a presença do DNIT, Município de Petrópolis, para a qual será convidado ainda o DNER.

Com vontade política e ação da justiça temos um momento ímpar para avançar na melhoria da mobilidade nos distritos de Petrópolis, via União e Indústria.

Anexo: (documento nesse site)

 

Paulo Igor cobra que prefeitura encaminhe Plano de Mobilidade Urbana à Câmara

[Diário de Petrópolis]

Petrópolis já perdeu R$ 50 milhões do PAC da Mobilidade

Para garantir que o município volte a receber recursos federais para investimentos em planejamento e melhorias no sistema viário, o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB) está cobrando ao prefeito Rubens Bomtempo que encaminhe à Câmara o Plano de Mobilidade Urbana. O documento é um instrumento fundamental para planejar e ordenar o trânsito na cidade, o que permitirá que a população tenha um deslocamento mais rápido no dia a dia. Há um ano, Petrópolis está impedida de receber recursos federais destinados à mobilidade urbana porque não elaborou o projeto dentro do prazo estabelecido pela Lei Federal 12.587/12. Neste período, a cidade perdeu pelo menos R$ 50 milhões, referentes ao PAC da Mobilidade.

Paulo Igor (foto petropolisnews.com.br)

“Petrópolis precisa de mais mobilidade e não pode continuar impedida de receber recursos que ajudem a melhorar as condições da cidade. O desenvolvimento do município passa pela mobilidade. A falta de organização no trânsito interfere no dia a dia das pessoas. Hoje, uma das maiores reclamações que recebemos é a questão do transporte público, dos atrasos nos horários de ônibus. Isso irá melhorar se tivermos melhores condições de tráfego. No ano passado já havíamos manifestado preocupação com a perda do prazo para entrega do plano. Hoje reiteramos isso. Estamos cobrando que o Executivo encaminhe com urgência este projeto para que seja discutido e votado na Câmara”, diz Paulo Igor.

A Lei Federal 12.587 de Mobilidade Urbana, que estabelece diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, foi publicada em janeiro de 2012 – com prazo de 90 para entrar em vigor. O texto da norma estabelece que em três anos todos os municípios do país devem elaborar Planos de Mobilidade Urbana municipais. Passado este prazo, os municípios ficam impedidos de receber recursos federais destinado à mobilidade.

“São recursos que podem otimizar o sistema viário permitindo melhorar acessos, duplicar vias, construir pontes, enfim, uma série de intervenções para dar fluidez ao trânsito e melhorar as condições de mobilidade para todos”, pontua Paulo Igor.

No dia 14 do mês passado, o Ministério Público Estadual estabeleceu, através de uma recomendação, que o Executivo tem prazo de 30 dias para encaminhar o plano à Câmara.

“Esperamos que o projeto chegue à Casa dentro do prazo estabelecido pelo MP, pois a falta de infraestrutura para mobilidade compromete também a economia da cidade. Visitantes que enfrentam problemas para chegar a Rua Teresa e fazer compras, assim como muitos turistas não voltam e a cidade perde com isso”, avalia.

A recomendação é assinada pela titular da 1ª promotoria de Tutela Coletiva de Petrópolis, promotora Zilda Januzzi Veloso Beck, que em 2013 instaurou um inquérito civil para acompanhar a elaboração do Plano de Mobilidade Urbana do município.

http://diariodepetropolis.com.br/integra/paulo-igor-cobra-que-prefeitura-encaminhe-plano-de-mobilidade-urbana-a-camara-89852