Licitação para revitalização da União e Indústria será aberta no dia 30 de abril

[do Diário de Petrópolis de 13 de abril de 2019]

DNIT licita obra de R$ 40 milhões

O edital para recuperação dos 25 quilômetros da Estrada União e Indústria no trecho entre o Retiro e Pedro do Rio será lançado no dia 30 de abril. A informação confirmada ao prefeito Bernardo Rossi e ao deputado federal Vinícius Farah, quinta-feira (11.04) em reunião com a direção geral do DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes, em Brasília. A expectativa é de que a obra – orçada em aproximadamente R$ 40 milhões – comece ainda no primeiro semestre.

uniaoIndustriaRevitalizar“São mais de 10 anos em que o início da obra se arrastava por muitos entraves no governo federal. Nossa gestão se empenhou percorrendo repartições e gabinetes em Brasília até que este pleito fosse atendido. Estamos acompanhando de perto todo o processo junto ao DNIT para garantir o andamento da obra e agora temos uma data confirmada para lançamento do edital. A prefeitura vem realizando obras emergenciais no trecho, mas existe a necessidade de total recuperação da estrada para garantir a segurança e conforto dos petropolitanos”, aponta o prefeito Bernardo Rossi.

O projeto de reforma prevê a pavimentação, sinalização e melhorias na drenagem de todo o trecho entre o Retiro e Pedro do Rio – que é de responsabilidade do DNIT. A prefeitura vai realizar, no decorrer da obra, pequenas intervenções como a construção de baias de ônibus e pequenos alargamentos na pista. O trecho entre Pedro do Rio e Posse, de responsabilidade do DER-RJ também está sendo cobrado pelo prefeito para ser revitalizado.

“Como representante da região estamos empenhados que esta obra saia do papel pela importância da estrada para o dia a dia de Petrópolis e para a economia da região porque a União Indústria influencia diretamente os municípios vizinhos”, completa Vinicius Farah.

“São quase 90 mil pessoas residentes no trecho, fora os que transitam diariamente pela estrada. A obra garantirá segurança para os petropolitanos. Agradeço ao empenho do deputado Vinicius Farah que vem acompanhando todo o processo e solicitando melhorias para a nossa cidade junto ao governo federal”, acrescentou Bernardo Rossi.

Prefeitura solicitou acesso ao projeto executivo da obra

Na ocasião, a prefeitura também solicitou, oficialmente, que a Superintendência Regional do DNIT no Estado disponibilize para o município o projeto executivo da obra de recuperação do trecho da União e Indústria.

“O objetivo é garantir que sejam permitidas as adequações necessárias, apontadas pelo município, durante a execução da obra acordadas entre o município e a empresa vencedora do certame com anuência da Superintendência Regional do DNIT”, ressalta o secretário de Obras, Ronaldo Medeiros.

A publicação do edital para contratação da empresa será feita pela Superintendência do DNIT no Rio de Janeiro. “ Um grupo de trabalho foi instituído para esse fim. Além de beneficiar os moradores, essa revitalização garante a segurança dos empresários e comerciantes que utilizam diariamente a via para escoamento da produção, ou seja, é um trecho extremamente importante para a cadeia econômica da cidade”, afirma Marcelo Fiorini, secretário de Desenvolvimento Econômico.

Entenda:

A reforma da União e Indústria se arrasta há quase 10 anos. Em 2009, a justiça determinou que o DNIT fizesse um projeto de recuperação da estrada, o que não ocorreu e rendeu uma multa de R$ 14 milhões ao órgão. Em 2011, o projeto até foi idealizado, mas não saiu do papel. Em 2016, uma licitação foi feita, mas a vencedora abriu mão do contrato e a segunda colocada não teve interesse na obra. Desde 2017 passado, a prefeitura cobra que o Dnit finalmente realize a reforma.

 

 

Prefeitura aperta o cerco para que DNIT e DER realizem manutenção da Estrada União e Indústria

Prefeitura de Petrópolis

 

Município fez o serviço preventivamente em mais de 12 quilômetros com 225 toneladas de asfalto aplicados desde janeiro
Município fez o serviço preventivamente em mais de 12 quilômetros com 225 toneladas de asfalto aplicados desde janeiro

Um serviço que era obrigação dos governos estadual e federal e que a Prefeitura está assumindo, a manutenção da Estrada União e Indústria já teve 12 quilômetros com obras feitas pela prefeitura. É a principal ligação com os distritos e não podemos deixar 100 mil pessoas isoladas. Então, são duas frentes: a de reparos emergenciais que a prefeitura está fazendo e a cobrança oficial aos órgãos que são responsáveis pela estrada.

A prefeitura cobra que  Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit) e do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) que cumpram a obrigação de fazer a manutenção viária na Estrada União e Indústria. A estrada tem 25 km e cerca de 100 mil pessoas passam diariamente pelos trechos administrados pelos órgãos federal e estadual.P or isso, a Secretaria de Obras assumiu temporariamente o serviço em virtude do risco de acidentes por causa dos muitos buracos. Desde janeiro, mais de 12 km da estrada receberam 225 toneladas de asfalto. No entanto, o município segue exigindo que os dois órgãos cumpram a função.

Contagem feita pela CPTrans aponta que, em média, 25,5 mil veículos passam diariamente pelo trecho que vai do Retiro a Pedro do Rio, que fica sob administração do Dnit. Já o trecho entre Pedro do Rio e Posse é responsabilidade do DER e tem movimento de 14 mil veículos em média por dia. Os números ressaltam a importância da conservação da estrada para segurança dos motoristas.

A Estrada União e Indústria é a principal ligação do Centro com os distritos. E, não à toa, tem fluxo de veículos e pessoas muito grande. Por isso a manutenção viária é tão fundamental. A Secretaria de Obras faz um serviço temporário, mas é necessário que Dnit e DER retomem a atribuição de manter as boas condições da pista e, assim, evitar acidentes.

O número de acidente é alto nesta via. Nos últimos cinco anos, foram 371 acidentes com 279 vítimas em média por ano. No primeiro semestre do ano passado, foram 143 acidentes com 174 vítimas – duas fatais. Desses, mais da metade das ocorrências foram com motos.

Em meados de janeiro, a Secretaria de Obras realizou tapa-buraco em 5,5 km da via, em um trecho bastante precário entre o Retiro e Corrêas. Foram dois caminhões com 30 toneladas de asfalto aplicados em cerca de 240 m² de buracos neste espaço. Na última segunda-feira (12.03), outros quatro caminhões com 60 toneladas de asfalto foram usados em uma das faixas entre a entrada do Castelo e a Ponte do Arranha-Céu, em Itaipava. Na terça (13.03), o trabalho aconteceu novamente entre Retiro e a entrada do Carangola, com mais quatro caminhões. Nesta quarta, foram utilizados mais cinco caminhões – 75 toneladas – na outra faixa entre Castelo e Itaipava.

O município faz o tapa-buraco em toda cidade, mas não é função da Secretaria de Obras assumir o trabalho que cabe ao Dnit ou ao DER. A conservação das estradas federais e estaduais não são responsabilidade da prefeitura e, por isso, estão sendo feitos novos ofícios para cobrar o tapa-buraco, a capina e a pintura de sinalização ao longo da União e Indústria.

A manutenção viária em Petrópolis tem sido feita com frequência. No ano passado, a Secretaria de Obras realizou o serviço de tapa-buraco 439 vezes em mais de 250 ruas e a manutenção de calçamento ocorreu 359 vezes em quase 220 locais.

Este ano, o trabalho já passou por Comunidade do Fragoso, Comunidade Florido, Alto da Serra, Centro Histórico, Estrada da Saudade, Sargento Boening, Secretário, Nogueira, Itaipava, Comunidade do Neylor, Caxambu, Morin, entre outros. Nesta quarta-feira (14.03), o serviço ocorreu ainda no Carangola.

 

NovAmosanta pede reunião, realizada em 22 de fevereiro, para discutir a retomada das obras da União Indústria

Temos a satisfação de informar aos nossos associados e amigos que, por solicitação da NovAmosanta,  foi realizada uma reunião, entre a nova equipe da prefeitura e a nova diretoria do DNIT, para discutir a retomada  das negociações das obras da União Indústria, nos trechos Retiro – Pedro do Rio com o DNIT e Pedro do Rio – Posse, com o DER.

Houve receptividade do DNIT em aceitar incorporar as alterações propostas pela prefeitura, o que já era obrigação por decisão da justiça federal (ver anexo) e também em fazer uma conciliação para repassar os recursos para a prefeitura executar a obra.

A partir dessa reunião foram a agendadas as seguintes reuniões para continuação do tratamento do assunto:

  • Reunião dia 15/3/2017 na sede do DNIT no Rio de Janeiro, entre o Município, a NovAmosanta e o DNIT para discussão de eventuais adaptações ao projeto da Estrada Uniãoe Indústria.
  • Reunião dia 21/3/2017 na Procuradoria da República, com a presença do DNIT, Município de Petrópolis, para a qual será convidado ainda o DNER.

Com vontade política e ação da justiça temos um momento ímpar para avançar na melhoria da mobilidade nos distritos de Petrópolis, via União e Indústria.

Anexo: (documento nesse site)

 

Obra na União e Indústria Volta à Estaca Zero Mais Uma Vez

uniaoindustria
(foto A Tribuna)

[ Tribuna de Petrópolis ]

Depois de sete anos, ainda não foi cumprida a decisão judicial que determinou ao Departamento Nacional de In- fraestrutura de Trânsito (Dnit) que realize obras de recupea- ção da Estrada União e Indús- tria, no trecho entre o Palácio de Cristal e Pedro do Rio.

O diretor de Infraestrutura Rodoviária do órgão federal, Luiz Antônio Ehret Garcia, disse ontem ao prefeito Ber- nardo Rossi, em Brasília, que a concorrência pública reali- zada oara cumprir a sentença judicial de 2009 já não tem valor e que o processo terá de ser reiniciado. O assunto foi tratado em audiência que teve a presença do presidente da Câmara, Paulo Igor, do secretário Ronaldo Medeiros e do presidente da CPTrans, Maurinho Branco. No encon- tro, o prefeito reivindicou ao departamento que faça as inter- venções necessárias na rodovia para que, após a conclusão, ela seja municipalizada.

A União e Indústria é a principal ligação do Centro com os distritos. Sua importância é histórica: ela foi a primeira rodovia mecanizada do Brasil, inaugurada em junho de 1861 por D. Pedro II. No entanto, isso pareceu não ser o su ciente para sua preservação até agora. A estrada está abandonada, com buracos em praticamente toda a sua exten- são e trechos que apresentam alto índice de acidentes.

A estrada foi abandonada pela União depois da inaugu- ração da BR-040, na década de 1970, ao mesmo tempo que cresceu o movimento e sua importância na ligação entre o Centro Histórico e os distritos.

O DNIT justi cou a não realização das obras a que estava obrigado, informando  que a empresa que venceu a concorrência pública para a reforma da União e Indústria deveria ter iniciado as intervenções em abril de 2015, no entanto, desistiu das obras. A segunda colocada do processo estava impedida de contratar com o governo e a terceira demonstrou, à época, não ter interesse em seguir com o processo. Desde então a situação está parada e cabe, agora, ao Dnit abrir uma nova concorrência pública.

“A diretoria do Dnit informou que vai realizar uma vistoria na estrada nos próximos dias para poder fazer o novo termo de referência, que vai nortear o projeto e para que a licitação seja feita. Na época essa intervenção estava avaliada em R$ 39 milhões, valor que, corrigido, estará mais alto. Esse custo, no entanto, não sairá dos cofres de Petrópolis, já que o processo de municipalização só será realizado após a conclusão das obras”, explicou o secretário de Obras, Ronaldo Medeiros.

O diretor-presidente da CPTrans, Maurinho Branco, avaliou positivamente o encontro. “Conversamos com as pessoas que realmente têm interesse em resolver essa situ- ação. As intervenções da União e Indústria vão gerar impacto positivo para a cidade. Com as ruas sem buracos o trânsito ui melhor. A mobilidade da cidade tem muito a ganhar com isso”, analizou.

No  processo  judicial,  em 2009, o governo federal ficou obrigado  pavimentar  a  rodovia,  corrigir  curvas  muito perigosas  e  construir  acostamentos,  prevendo  pontos  de ônibus. Até agora, só realizou uma operação tapa-buracos, no trecho do Retiro.

Estrada União e Indústria: Dnit terá que Fazer Outra Licitação

[Diário de Petrópolis]

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) informou ontem (3) ao Diário que terá que fazer nova licitação para as obras de reforma da Estrada União e Indústria.

Em abril, a empresa União Norte Fluminense, que venceu a concorrência pública para realizar o serviço, desistiu. A segunda colocada, a Alka Brasil, atualmente está impedida de contratar com o governo. Já a terceira, a Contek, também não mostrou interesse em seguir no processo.

Diante disso, o órgão terá que abrir nova concorrência, que ainda não tem data marcada para acontecer. O Dnit não informou se haverá alterações no preço da obra. Há pouco mais de um mês, a prefeitura divulgou que tinha descoberto a desistência da União Norte Fluminense.

União & Indústria - Trecho Itaipava

Os motivos não foram revelados. Segundo o Dint, as empresas podem desistir de assinar contratos e não são obrigadas a se justificar. Mas a situação da Alka Brasil chama a atenção: a empresa está impedida de participar de concorrências públicas desde o dia 22 de janeiro do ano passado – e mesmo assim, fez uma oferta. A restrição vai até 2017. A empresa deixou de cumprir pontos previstos na contratação feita pelo próprio Departamento para obras em uma rodovia federal de Santa Catarina. As obras de reformas da União e Indústria se arrastam desde 2011. O Ministério Público Federal obrigou, por meio de uma ação civil pública, o Dnit a realizar a recuperação de quase 25 km da estrada (que é responsabilidade do governo federal) entre a Posse e o Retiro.

Desde então, foi dado início a formulação de um projeto executivo – que demorou três anos para ficar pronto. Nesse tempo, o atraso na execução do serviço levou a aplicação de uma multa de R$ 14 milhões. Com o projeto executivo em mãos, o Ministério Público e o governo municipal perceberam que as intervenções propostas não seriam boas por dois motivos: primeiro, porque todo o projeto considerou a União e Indústria como uma rodovia, quando na verdade ela está completamente inserida na malha urbana da cidade; e depois, porque não faria melhorias no trânsito – o que precisaria ser feito depois (ou seja, duas obras).

O projeto inicial previa apenas recapeamento do asfalto, revisão da drenagem e troca da sinalização. Por isso, a prefeitura tentou modificar o projeto durante boa parte do ano passado, mas encontrava resistência do Dnit. Em uma reunião em novembro, o órgão chegou a dizer que para incluir as sugestões, precisaria fazer um novo projeto executivo (exigência do MPF), o que empurraria o início das obras para, no mínimo, 2018. A solução proposta pelo órgão e aceita pela prefeitura era fazer a licitação com o projeto original e fazer aditivos depois para incluir as modificações propostas. Foi assim que a licitação ocorreu no último dia 22 de janeiro.

Três empresas se apresentaram interessadas na obra: União Norte Fluminense, Alka Brasil e Contek. A proposta vencedora foi de pouco menos de R$ 34,8 milhões, um desconto de R$ 4,2 milhões do valor global. A expectativa era de que, se toda a documentação estive ok, o contrato pudesse ser assinado até fevereiro. Agora, não se sabe quando ocorrerá a licitação e muito menos quanto mais o início das obras serão postergados.

NovAmosanta Promove Reunião com a Secretaria de Estado de Transportes – SETRANS

Quinta-feira 15de abril, com a presença do secretário  estadual de transportes Roberto Osório, a diretoria da NovAmosanta se reuniu para analisar a situação viária de Itaipava .

Foram debatidos os constantes engarrafamentos nos Distritos e as soluções necessárias para que não mais ocorram, tais como a duplicação das pontes do “Aranha Céu” e do Bramil,  interligando melhor a rodovia BR-040 com a estrada União e Indústria. As grandes filas que se formam e que adentram a rodovia  põe em risco aqueles que usam a rodovia .

Foi também analisada a situação da estrada União e Indústria e a recuperação desta a ser feita pelo DNIT, bem como a importância de serem incorporadas nessa recuperação as intervenções sugeridas pela prefeitura de Petrópolis.

Na ocasião a NovAmosanta entregou  à secretaria um anteprojeto para a recuperação das 5 pontes existentes (2 pontes, Arranha-Céu e Bramil, interligando a rodovia BR-040 à União e Indústria e 3 pontes na União e Indústria: Bonsucesso, Estrada das Arcas e Ponte Vermelha – próxima ao Horto Municipal)

Empresa de São João da Barra Fará a Reforma da Estrada União e Indústria

Aline Rickly – Redação Tribuna

A empresa União Norte Engenharia, com sede em São João da Barra, foi a vencedora da licitação que aconteceu no último dia 22 para executar as obras de restauração da Estrada União e Indústria, no trecho que compreende os quilômetros zero ao 24.De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), depois que o resultado da licitação for homologado será elaborado um contrato a ser assinado pela empresa. Após essa assinatura é que será dada a ordem de início dos serviços. Orçada em R$ 39 milhões, a obra deverá ser executada em 365 dias.

A assessoria de imprensa do Dnit informou ainda que não há prazos legais estabelecidos para o resultado da licitação e que a legislação também não prevê datas para a elaboração e assinatura do contrato. “Somente a ordem de serviço, após a assinatura do contrato, tem um prazo de 5 dias”, disse por e-mail.

A Tribuna entrou em contato com a empresa vencedora a fim de saber se há previsão de contratação de mão de obra petropolitana para a execução dos serviços, mas foi informada de que primeiro é preciso que o resultado da licitação seja validado e, em seguida, haverá um diálogo entre a empresa e o Dnit para estabelecer os tipos de intervenções que acontecerão na via.

Em princípio o que está previsto no documento, que foi apresentado durante o processo de licitação, é a instalação e manutenção do canteiro, remoção da camada de pavimento existente, reciclagem do pavimento e drenagem superficial. Embora o valor estimado pelo Dnit seja de mais de R$ 39 milhões, a planilha apresentada pela empresa apresentou um custo de R$ 34.786.659,06 para a realização das obras.

Origem:  http://www.tribunadepetropolis.net/Tribuna/index.php/class/15301-empresa-de-sao-joao-da-barra-fara-a-reforma-da-estrada-uniao-e-industria.html

Licitação para Reforma da União e Indústria será dia 22

[Diário de Petrópolis – Rômulo Barroso – romulobarroso@diariodepetropolis.com.br]

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit) confirmou ontem que a abertura das propostas dos participantes da licitação para reforma da Estrada União e Indústria será no dia 22 de janeiro. A decisão da data foi publicada no Diário Oficial da União em 23 de dezembro do ano passado.

A concorrência pública terá valor global de R$ 39.130.100,19 e o vencedor do certame será o que oferecer maior desconto desse valor. A sessão que vai definir o responsável pela obra vai acontecer no Rio de Janeiro, mas as propostas serão enviadas através do site www.comprasnet.gov.br, criado para ser a plataforma federal para realização de processos licitatórios.

Podem participar do processo empresas ou consórcios. O edital 0512/14-07 está disponível no site do Dnit. Quem vencer a concorrência terá um ano para concluir a reforma nos 24 quilômetros do trecho da União entre Pedro do Rio e o Retiro.

A licitação será feita pela modalidade “Regime Diferenciado de Contratações Públicas” – modalidade de licitação criada pensando nos grandes eventos esportivos (Copa e Olimpíada) e no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), que permite uma contratação mais rápida de uma empresa para realizar o serviço completo, entregando o resultado já pronto para uso.

Vale lembrar que o Dnit tem que fazer essa obra por determinação judicial de 2011. E a autarquia federal a responsável pela via, mas houve demora de três anos para finalização do projeto executivo. Quando foi apresentado à prefeitura e ao Ministério Público Federal, foi solicitado mudanças que pudessem possibilitar melhorias em diversos pontos de retenções em todo trecho que será reformado – o projeto inicial previa apenas recapeamento do asfalto, revisão da drenagem e troca da sinalização.

http://diariodepetropolis.com.br/integra/licitacao-para-reforma-da-uniao-e-industria-sera-dia-22-61044

Ministério Público Contesta Argumentos do Dnit

[Diário de Petrópolis]

Obras na União e Indústria devem ser feitas no menor prazo possível

O Ministério Público Federal (MPF) reforçou a necessidade da conclusão de um projeto para a reforma da Estrada União e Indústria que atenda a questões de segurança e mobilidade urbana, com apresentação de alterações condizentes com as atuais necessidades de uso da via, por parte do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável pelo trecho.

A procuradora da República Vanessa Seguezzi, responsável pelo caso, lamenta o destaque dado aos argumentos levantados pelo Dnit para não executar as propostas de melhorias a serem implementadas em diversos trechos da rodovia. Em matéria publicada pelo Diário ontem, o Departamento diz que as obras podem atrasar.

Ainda segundo o MPF, apesar da rodovia ter perfil local, já que está inteiramente inserida na área urbana, a abordagem utilizada pelo Dnit na elaboração do projeto não considerou essas características, não atendendo às necessidades da cidade em vários trechos, inclusive quanto às medidas para diminuição de acidentes e impactos do trânsito. A procuradora da República esclarece ainda que em diversas reuniões, conduzidas pelo Ministério Público Federal, foram buscados compromissos do Dnit quanto à efetiva execução das melhorias propostas pelo Município, salientando que a postura adotada pelo órgão, em criar obstáculo à inclusão das alterações apresentadas pelo Município de Petrópolis no referido projeto, pode gerar graves danos aos cofres públicos, na medida em que serão aplicados recursos federais em obras que, em certos trechos, não atendem a aspectos técnicos relacionados à mobilidade urbana, à segurança viária e, em última análise, à integridade dos usuários da referida estrada, o que não pode ser tolerado pelo MPF.

Dnit é obrigado a realizar as obras

É importante lembrar, também, que a obrigação do Dnit realizar as obras decorre de ação civil pública proposta pelo próprio Ministério Público Federal, na qual a União e o DNIT foram condenados a assumir a administração da rodovia, sendo determinada a realização de obras emergenciais e, posteriormente, de intervenções para recuperação e restauração da Estrada. Assim, o MPF vem, há muito, buscando o cumprimento da decisão judicial, sendo que já em 7 de abril de 2011 propôs a execução provisória da sentença e, em 17 de fevereiro de 2012, ingressou com execução de multa pelo atraso na realização das obras que, naquela data, já somava a importância de mais de R$ 14 milhões.

Assim, sendo evidente que não há qualquer intenção de atrasar o início das obras, o MPF esclarece que sua intenção é que as intervenções para recuperação da estrada sejam realizadas dentro do menor prazo possível, observada a melhor técnica e os parâmetros que permitam a melhoria da mobilidade urbana e segurança dos usuários da via, com a execução das alterações propostas pela municipalidade, sem descurar da adequada aplicação dos recursos públicos.

Quem vai Administrar a Estrada União-indústria?

Com a decisão judicial, descrita na categoria UniãoIndústria desse blog, o DNIT ficou obrigado a retomar a administração da estrada, elaborando o projeto executivo da reforma e reconstrução do trechos entre o Retiro e Pedro do Rio, executando a obra e fazendo a administração e manutenção da estrada após a conclusão da obra.

Sob a alegação de que a estrada, a partir da inauguração da BR-040, deveria ser administrada pela Prefeitura Municipal de Petrópolis (PMP) o DNIT procurou a PMP e propôs duas alternativas:

  • (i) liberar para a PMP a quantia de R$ 60 milhões para que esta executasse a obra;
  • (ii) o DNIT realizaria a obra, em ambos os casos com a condição que a PMP assumisse a administração e manutenção da estrada.

Alegava ainda que o retorno da administração para o DNIT implicaria no  seu enquadramento às normas do departamento que incluiria, entre outros:

  • fiscalização pela Polícia Federal;
  • sinalização de rodovia;
  • eliminação de semáforos, redutores de velocidade e quebra-molas, marcação da faixa de domínio da União ( 15 metros a partir da lateral da pista asfaltada);
  • desapropriação e remoção das construções dentro dessas faixas, a não utilização das sugestões da PMP consideradas mais apropriadas para as interseções da estrada etc…

A PMP por seu turno, entendeu que a aludida  transferência de um bem da União teria que ser precedida de aprovação pelo Congresso Nacional e que não teria condições financeiras para suportar esse novo encargo.

Membros da sociedade civil procuraram o Ministério Público Federal, autor da ação contra o DNIT, em busca de uma possível conciliação entre as partes. O MPF se recusou a conversar com a PMP porque essa não fazia parte do processo.

Formado o impasse, a sociedade civil  assiste um problema burocrático impedir que o desenvolvimento de uma solução parcial de seus problemas de mobilidade urbana seja aplicado para o bem de todos.