Inea terá Relatório Hidrometeorológico Mensal do RJ

Muito importante sabermos que o INEA está prestando um serviço de informações, elevante não só para quem estuda ou pesquisa a questão, mas também para quem lida ou é afetado com o problema dos desastres, principalmente enchentes.
Ver adiante Boletim Institucional 15/08/2014 da Ascom Inea
—————————————————–
“O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) vai divulgar mensalmente o Relatório Hidrometeorológico do Estado do Rio, contendo previsões climáticas regionalizadas de acordo com as bacias hidrográficas e com foco na questão hídrica. O relatório, elaborado pelo Centro de Informação e Emergências Ambientais (Ciem), começou a ser disponibilizado em julho e será mais uma ferramenta colocada à disposição dos especialistas e de órgãos públicos na avaliação de impactos de desastres naturais.

De acordo o relatório de agosto, a tendência é que o acumulado das chuvas para os próximos três meses varie dentro da faixa de climatologia, entre 100 e 200 mm. Em relação aos fenômenos climáticos, o principal é a ocorrência do El Niño no Oceano Pacífico, que provoca chuvas na Região Sul e aumento de temperatura.

Os relatórios trazem a análise e a previsão climática, incluindo a seca, além do Índice de Precipitação por bacia hidrográfica. Também são apresentados dados de estações do Sistema de Alerta de Cheias relativos à média do nível de rios do Estado.

O Ciem também divulga diariamente, às 14h, um boletim hidrometeorológico com a situação dos rios do estado, conforme os dados meteorológicos e das estações do Sistema de Alerta de Cheias, que medem a precipitação e o nível dos rios. O boletim traz o registro das 24 horas anteriores e a previsão para as próximas 24 horas.

Também com divulgação via internet, o Sistema de Alerta de Cheias do Inea funciona atualmente com 72 estações, abrangendo 40 municípios e 50 rios, com dados atualizados em tempo real. O sistema emite alertas em quatro níveis (vigilância, atenção, alerta e alerta máximo), de acordo com o risco de cheias, para a Defesa Civil e para quem se cadastrar no sistema, através de SMS e e-mail.

Para se cadastrar e receber os alertas por e-mail ou SMS, basta encaminhar e-mail com o número do telefone e DDD e/ou endereço de e-mail para alertadecheias@inea.rj.gov.br.

Para acessar o Relatório Hidrometeorológico e os Boletins diários, os interessados podem acessar a página do Inea (www.inea.rj.gov.br) e clicar em Alerta de Cheias na seção Inea para você. Os alertas também são divulgados via Facebook (www.facebook.com/alertainea) e Twitter (@alertadecheias).”

Movimento Distritos de Petrópolis – Acompanhe !!!

Reunião de Coordenação em 25/08/2014,
Com a presença de representantes da NovAmosanta, GAPA-Itaipava, Projeto Araras, UDAM e Petrópolis Convention Bureau:
Excelente reunião, com muitos assuntos e ótimas sugestões. Procurando apenas sumarizar os principais pontos:
1. A existência do Movimento vem se afirmando como uma iniciativa de importância crescente, servindo como agregador de ações de suas diversas entidades componentes:
  • Projeto Distritos de Petrópolis / Novamosanta
  • Corredor de Turismo / PCVB
  • Seminário sobre Bandeiras / UDAM
  • “Festival de Limpeza” / Projeto Araras
  • Reuniões do MDP com Ministério Público e Prefeito Bomtempo
2.Principais iniciativas em andamento:
  • Legislação sobre impacto sobre Vizinhança – já apresentada minuta ao Prefeito; será efetuado encaminhamento ao MPE e Câmara de Vereadores
  • Negocições DNIT x PMP sobre União e Indústria: perspectiva de reforma da estrada, incluindo a duplicação do trecho de Itaipava e diversas pontes e retornos; reunião realizada com a presença do Ministério Público, aguardando posição do DNIT para licitação
  • Plano de Saneamento Básico –  necessário acompanhamento para melhoramento geral do projeto
  • Critérios de licenciamento de obras – necessária ação em audiência pública e contato com o Ministério Público para inclusão de conceito de ” capacidade de suporte “; recomendada apresentação de casos concretos de aprovações irregulares ao MPE
3. Discutida a necessidade de maior divulgação e impacto das ações do MDP. Em especial, conversação com o Sub-secretário de Urbanismo do Estado, identificando a conclusão da 1a etapa do projeto Distritos de Petrópolis como evento que poderia ter sua dimensão propagada através da realização de um seminário e, através da mídia estadual, levar à criação de  um observatório por uma entidade da sociedade civil e permitir acesso governo estadual.

Discussão do Projeto de Lei Orçamentária Anual – LOA 2015

Prezados(as) senhores(as):

O Exmo. Prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo, convida para a Audiência Pública para discussão do Projeto de Lei Orçamentária Anual – LOA 2015. Venha dar sua sugestão e contribuição. Sua presença é muito importante!

21/08/2014 – 18h30
Casa dos Conselhos/SETRAC
Avenida Ipiranga, nº544 – Centro.

Bolsa Verde Rio: Exemplo Prático de CRAs – Cotas de Reserva Ambiental

Adiante texto exemplificando uma operação BVRio, pode ser uma opção interesante para proprietários de terras nos Distritos.

————————————-

Seu  José tem uma floresta de 75 ha.

Pela legislação, 15 ha seria sua reserva legal, sobrando portanto, 60 ha, os quais não estão em uso. S. José decide, então, registrar esses 60 ha. de floresta na BVRio para negociar dentro das regras estabelecidas.

A BVRio emite CRAs (Cotas de Reserva Ambiental), instituindo 60 cotas de 1ha. cada. O Sr. José informa que quer negociar essas cotas (não o terreno) por R$ 3.000,00/ha por 10 anos, valor que lhe custaria a manutenção de cada ha nesse período.

Seu Antônio projeta um empreendimento que ocupará uma área recém adquirida de 20 ha.

Pela legislação vigente terá que reservar uma área 20% de 20 ha, ou seja, 4 ha. Acontece que Seu Antonio quer ocupar toda área para o empreendimento. Então procura a BVRio manifestando interesse em comprar uma CRAS com 4 cotas de 1 ha.  Dessa forma fará a  compensação prevista em Lei.

A BVRio apresenta,  ao Seu José e ao Seu Antonio, sem identificá-los, as condições desejadas de cada um.

Com a aceitação das condições pelas partes é feito  o encontro dos dois e a compra e venda de CRAS de 4 ha.

Observemos que Seu José continua proprietário dos 60 ha e cuidando de sua manutenção, podendo ainda negociar 56 ha em CRAS.

Ao final o que houve foi uma negociação dos créditos, não das propriedades.

BV-Rio

NovAmosanta se Reune com a Bolsa Verde do Rio de Janeiro

Mês passado a NovAmosanta promoveu uma reunião com a BVRio para conhecer sua operação e procurarmos uma forma de associação BVRio-NovAmosanta.

Discutimos formas de cooperação com eles, sobretudo de forma relacionada a informações geográficas, assunto de que estamos tratando.

Divulgamos essa reunião porque a BVRio é um empreendimento de grande interesse para os Distritos, mas também de proprietários locais e instituições Petropolitanas. Adiante um texto sobre a BVRio.

————————-

A BVRio é uma bolsa de valores ambientais nacional idealizada em conjunto com o setor empresarial, setor público e terceiro setor, com o objetivo de prover soluções de mercado para auxiliar no cumprimento de leis ambientais de modo mais eficiente, tanto para o setor público como para o setor empresarial, gerando benefícios para o meio ambiente, para a sociedade e para a economia em geral.

A legislação ambiental estabelece uma série de obrigações a empresas e indivíduos (reciclagem, manutenção de reserva legal, redução de emissões, etc.). Ao mesmo tempo a legislação permite que essas obrigações possam ser cumpridas por meio de créditos ou cotas.

Um exemplo é o cumprimento da Legislação Florestal no que tange à obrigação de criação de reservas legais por todos proprietários rurais e a obrigação de Reposição Florestal (plantio de área equivalente) para toda supressão de floresta e formações sucessoras autorizada pelo poder público.

Tanto a obrigação de Reserva Legal quanto a obrigação de Reposição Florestal podem ser cumpridas com o uso de créditos florestais.

A reserva legal é mecanismo de conservação da biodiversidade obrigatório nas propriedades rurais brasileiras. Na nossa região, cada propriedade deve ter 20% de área gravada como reserva legal.

No entanto, a lei florestal permite ao proprietário rural compensar a reserva legal fora dos limites da sua propriedade, no mesmo Bioma (no caso Mata Atlântica), seja adquirindo uma área equivalente de floresta ou através da aquisição de Cotas de Reserva Ambiental (CRA).

Da mesma forma, proprietários e empresas que tem a obrigação de plantar florestas para compensar cortes autorizados podem adquirir Créditos de Reposição Florestal (CRF) de outros proprietários rurais que realizaram plantio florestal de modo voluntário.

Desde 2012, a BVRio opera a plataforma BVTrade com o Mercado de Cotas de Reserva Ambiental (CRAs) e está em negociação para a implantação dos Creditos de Reposição Florestal (CRF).

[site da BVRio ]

Empreendimentos em Itaipava vão Contra a Qualidade de Vida, Meio Ambiente e Mobilidade Urbana

[ clipping Diário de Petrópolis – Anna Paula Di Cicco ]

A quantidade de novos empreendimentos na região de Itaipava é alarmante e vem crescendo com o passar do tempo. Reflexo disso é o trânsito, já constante nos acessos ao distrito, além do verde que vem sumindo gradativamente. O biólogo José Washington Aguiar, também pós-graduado em Ciências Ambientais, chama a atenção para o perigo de permitir que o local receba um grande número de prédios sem que haja um planejamento que priorize a qualidade de vida na região.

– Em relação aos empreendimentos imobiliários, eles estão acabando com o verde, que era a essência do lugar. Algumas destas áreas são até de encostas. Isso mexe com a qualidade de vida, não só de quem mora, quanto de quem vai para lá. Como vai ser isso daqui a cinco anos? Itaipava não comporta e nem foi feita para isso, alerta.

Associações de Moradores também se posiciona

Ainda em maio deste ano, cerca de 50 associações de moradores, bem como entidades e organizações não governamentais, ligadas a Itaipava e arredores, se reuniram para consolidar o “Movimento Distrito de Petrópolis”, através da assinatura de um Termo de Cooperação. De acordo com a Novamosanta, encontros entre os cooperados incluem diversos debates e trazem os problemas da localidade à tona, em busca de soluções adequadas.

Os seis eixos principais, trabalhados a partir de divisões por grupos responsáveis são: respeito às condições de vida da população dos distritos; plano de desenvolvimento sustentável da região; programa de desenvolvimento da infraestrutura de água, saneamento, energia e comunicação; programa imediato de melhoramento da mobilidade urbana; compromisso de licenciamento de obras mediante avaliação de impacto ambiental, social e de reais condições de infraestrutura, e a destinação de recursos para atendimento à região, compatíveis com as necessidades e a contribuição tributária dos distritos.

( leia aqui na íntegra…)

Projeto Pode Melhorar Trânsito em Itaipava

[clipping (artigo integral) – Tribuna de Petrópolis ]

A nova pista de subida da serra e a construção do Arco Metropolitano, que já teve uma parte inaugurada, estão incentivando a expansão imobiliária na cidade. O motivo é que ambos encurtam a distância entre o Rio e Petrópolis. Com isso, muitos cariocas optam por subir e descer a serra todos os dias em busca de qualidade de vida. Entretanto, a previsão de que existem 4 mil novas unidades habitacionais em andamento na cidade é motivo de preocupação para organizações como a NovAmosanta, que tem como um dos objetivos cooperar com o governo, sugerindo melhorias em todas as áreas de infraestrutura urbana e social.

A preocupação é porque a cidade já enfrenta há anos o problema de mobilidade urbana e com a vinda de mais pessoas, estima-se que o número de automóveis também aumente. E não é só o centro da cidade que sofre com os engarrafamentos. Em Itaipava, principalmente nos fins de semana, trechos que, normalmente são percorridos em 5 ou 10 minutos, podem levar até uma hora.

A jornalista Renata Pompeu, de 39 anos, morava no Rio e há cinco anos se mudou para um apartamento na Granja Brasil, em Itaipava. Ao escolher a cidade para morar ela considerou a melhoria na qualidade de vida, por causa do trânsito e também para fugir da violência da cidade grande. Mas, de uns tempos para cá, Renata está preferindo não sair de casa aos fins de semana para evitar o estresse de ficar parada no trânsito. “A partir de quinta-feira começa o inferno. Não importa a hora que você saia de casa que vai estar engarrafado. Nos fins de semana então, fica impossível transitar, principalmente, entre 11h e 12h”, disse ela, que já chegou a levar uma hora para fazer o trajeto entre Bonsucesso até a reta de Itaipava, próximo ao Colégio Liceu. “Quando mudei não era assim, piorou nos últimos anos. Tenho visto muita gente mudando do Rio para cá, o que está deixando a cidade cada vez mais cheia. Também percebo que a construção da nova pista de subida da serra tem sido o motivo desta migração, porque vai diminuir a distância entre a cidade e a capital, mas acho que tudo isso é ilusão”, destacou.

O presidente da organização [NovAmosanta], Roberto Penna Chaves explicou que alguns estudos sobre mobilidade urbana para a região de Itaipava já foram feitos. Neles, fazem parte além da prefeitura, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Os projetos, que juntos somam, aproximadamente R$ 80 milhões, incluem construção de ciclovia ligando o Parque de Exposições até o supermercado Bramil, alargamento da pista entre o Trevo de Bonsucesso e o Arranha-Céu e ampliação da estrada do Catobira. A previsão é que estas intervenções levem de um a dois anos para ficarem prontas, a partir da data de início das obras.

Roberto comentou que também existe a possibilidade de ampliação da Estrada Mineira indo até o Shopping Itaipava. Além disso, ele disse que há um projeto que prevê o alargamento a pista desde o Retiro até Pedro do Rio. Uma outra opção é prolongar a pista até o Bramil, em Itaipava. “Já em Corrêas e Nogueira seriam construídas rotatórias para evitar que o motorista saia a esquerda de forma direta, o que influencia ainda mais nos engarrafamentos e também a colocação de divisórias de pistas no trecho a curto prazo. Os cruzamentos de pista junto às travessias provocam o gargalo no trânsito. São pequenas intervenções que podem ajudar”, afirmou.

Ele disse ainda que este é um projeto a médio prazo. “Espero que cheguem a um entendimento final para a construção de uma alternativa”, ressaltou.

A condição atual do trânsito, que vem sendo alvo de reclamações de petropolitanos e turistas, Roberto atribui ao aumento explosivo do setor imobiliário. “Com as melhorias na pista de subida e a construção do Arco Metropolitano, vai incentivar um fluxo grande de pessoas para virem morar aqui. Porque a cidade é mais tranquila, o clima é agradável”, disse.

Clube em Itaipava Controla Emissão de Gases de Efeito Estufa

[Clippinbg – OGLOBO – por Clarissa Pains 12/08/2014 7:50]

PETRÓPOLIS — O ar que entra pelos pulmões de quem anda pelo Itaipava Country Club pode não estar visivelmente mais puro do que o normal, mas o lugar, que também abriga 136 residências, é agora detentor de um inventário vanguardista: o de medição de gases de efeito estufa emitidos durante o ano. Concluído em junho pelo vice-presidente do clube, o engenheiro civil Telmo Azambuja, o documento foi feito de acordo com as normas do “Programa Brasileiro GHG Protocol”.

A conclusão foi que, em 2013, o clube emitiu 13.809 toneladas de dióxido de carbono equivalente. Como poucas empresas têm esse inventário, é até difícil saber se a marca está acima da média ou não, mas a meta é reduzir esse número ano a ano.

— Queremos servir de exemplo para estabelecimentos de grande porte, como clubes e condomínios. Se você sabe o quanto emite e quais aparelhos emitem mais, é mais fácil reduzir — afirma Azambuja, que é especializado nesse tipo de inventário.

Em 29 e 30 de setembro, uma equipe da ABNT irá até o clube para aprovar oficialmente o documento. O Itaipava Country Club também receberá membros da Bolsa Verde do Rio de Janeiro (BVRio) para discutir a possibilidade de entrada no comércio internacional de carbono.

— Se eu diminuo o gasto de energia, acabo reduzindo o custo. Pretendemos trocar todos os geradores antigos, assim como trocamos todas as lâmpadas — pontua Azambuja — É importante estar ciente de qual é a nossa pegada no planeta.

Nota do blog: Telmo Azambuja é Diretor da MCG – Management Consulting Group e da ONG NovAmosanta em Itaipava, que produz este blog.


Original em OGLOBO

NovAmosanta: Projeto Movimento Distritos de Petrópolis se Reune com Bomtempo

[carta ao Prefeito de Petrópolis após a reunião]

Prezado Dr. Rubens Bomtempo,

Inicialmente, desejamos agradecer pela gentileza de nos receber e permitir a agradável conversação que nos deu oportunidade de expor as motivações e expectativas do Movimento Distritos de Petrópolis, que reúne cerca de 50 associações de moradores e entidades dos Distritos .

Como conversado, o Movimento reflete a grande preocupação de toda a sociedade com o acelerado processo de degradação da qualidade de vida, que não só já afeta a população em todos os seus segmentos, mas ainda caminha para a inviabilização da principal vocação econômica da região – o turismo.

Nesse sentido, estamos mobilizando o conjunto de associações de moradores e outras entidades da região para a discussão dos principais problemas enfrentados e apresentação de propostas à Prefeitura.

Paralelamente, através da NovAmosanta, estamos desenvolvendo o Projeto Distritos de Petrópolis, que gerará um completo diagnóstico sócio-econômico-ambiental da região e deverá servir de base para seu planejamento :  Plano Diretor, LUPOS e legislação decorrente.

Por outro lado, como discutido com V.Sa., há problemas e programas que, a nosso ver, requerem ação imediata:

  • Legislação sobre Licença de Impacto sobre a Vizinhança
  • Negociação sobre melhoramentos na Estrada União e Indústria
  • Corredor de Turismo ( projeto do Convention Bureau )
  • Reformulação do Plano de Saneamento Básico
  • Reformulação de critérios para licenciamento de grandes empreendimentos

Temos propostas sobre estes itens já encaminhadas ou em processo de encaminhamento à Prefeitura, e estaremos à inteira disposição de V.Sas. para qualquer apoio eventualmente desejado.

Cordialmente,

Márcio A.A. Cardoso
Movimento Distritos de Petrópolis – Coordenador